Assinar Edições Digitais
Necrologia

Morreu o cónego Aurélio Galamba, capelão hospitalar e prisional

O cónego Aurélio Galamba de Oliveira morreu esta quarta-feira, dia 10, aos 94 anos. Natural do Olival, Ourém, residia desde 2005 em Fátima, na Casa Diocesana do Clero.

O cónego Aurélio Galamba de Oliveira morreu esta quarta-feira, dia 10, aos 94 anos. Natural do Olival, Ourém, residia desde 2005 em Fátima, na Casa Diocesana do Clero.

Cónego Aurélio Galamba

Com um percurso conhecido sobretudo na área prisional e hospitalar, esteve ligado a vários projetos, como a causa da beatificação dos Pastorinhos de Fátima ou a Escola Social Rural de Leiria.

A missa exequial é dia 12 de outubro, sexta-feira, às 10h30, na Sé de Leiria, seguindo-se o cortejo fúnebre para o Olival, onde será sepultado.

Aurélio Galamba entrou para o Seminário Diocesano em Leiria em 1931. Fez um bacharelato em Teologia na Universidade Gregoriana, em Roma, tendo sido ordenado presbítero em 1941. Passou pelo ensino e formação de seminaristas, foi docente de Teologia e prefeito no Seminário de Leiria.

A sua vida pastoral ficou conhecida pelos seus serviços em prisões e hospitais. Foi capelão da Prisão Escola de Leiria (1947-1989) e prestou assistência religiosa na Cadeia Regional de Leiria (1952-1989).

Num testemunho destes trabalhos, publicou o livro “Lírios na Lama”. Foi ainda capelão do hospital de Leiria (1981-1995), prestou assistência pastoral no Centro Hospitalar de S. Francisco, em Leiria, e noutras casas de saúde.

O cónego Aurélio Galamba era membro do Cabido desde 1951, do qual também foi presidente, sendo ainda membro da Irmandade de S. Pedro Celestino, de Leiria.

Ao longo da sua vida foi nomeado para várias funções, como adjunto do diretor diocesano da Obra das Migrações (1969 e 1974), membro do Tribunal para a causa de beatificação dos Pastorinhos de Fátima (1973) e juiz pró-sinodal (1953 e 1975).

Orientou muitos retiros para casais e doentes, movimentos eclesiais e diversas instituições religiosas. Prestou serviço pastoral também na Sé de Leiria e no Santuário de Fátima.

Na sua página oficial a Diocese de Leiria-Fátima “agradece a Deus a vida deste sacerdote, a sua dedicada entrega ao serviço da Igreja e o seu testemunho apostólico de generosidade com que apoiou diversas obras eclesiais e sociais”.