Select Page

Pensamentos avulsos: O fim

Pensamentos avulsos: O fim
Cláudio Tereso, técnico de informática claudio@claudiotereso.com

Eis-me chegado ao FIM. Quer dizer, não propriamente ao meu fim, mas ao fim da minha colaboração com o Região de Leiria. Foi um ano em que os meus pensamentos saíram do meu blog e do Facebook para as páginas físicas de um jornal.

Das sensações que escrever para um jornal suscita, destaco o profundo agrado com que chego ao final da linha sem nunca ter recebido uma única indicação sobre o que podia ou não escrever. Teci as críticas que quis, disse as parvoíces que quis, escrevi mal e escrevi bem, mas sempre sem sofrer qualquer tentativa de moldar o meu discurso.

A liberdade de um jornal gerir o seu conteúdo sem interferências externas é uma das grandes conquistas da democracia, mas é uma conquista que podemos perder num abrir e fechar de olhos. Um jornal para ser isento precisa de ser financeiramente independente e para isso precisa de vender. Tirando desportivos e sensacionalistas, não há grande hábito de comprar jornais em Portugal e com a instalação da atual crise o cenário piorou muito. Por este andar, os jornais ou fecham ou têm de ficar (ainda mais) dependentes de terceiros, sejam os anunciantes, os grupos que os detêm ou o poder político do momento.

Não nos podemos dar ao luxo de deixar a imprensa livre chegar ao FIM. Quem acha que pagar um euro por um jornal é muito, não está bem a ver o preço a pagar por não ter jornal para comprar.

(texto publicado a 14 de dezembro de 2012)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo