Select Page

Gira aos 40: O meu pai e eu – a vida não acabou

Gira aos 40: O meu pai e eu – a vida não acabou
Sofia Francisco, professora giraaosquarenta@gmail.com

Há uns meses falei aqui do meu pai. Alguns de vocês que me leem pressentiram o que eu vivia: eu sentia que o tempo nos escorria por entre os dedos e precisava de aproveitar todos os momentos. Assim foi. Fomos a tempo.

Pois o meu pai despediu-se. Sereno e em paz, não disse adeus, mas partiu. Rapidamente, em casa, rodeado por quem amava. Ainda não volvido um mês, sinto-me dormente, apardalada, mas recuso-me a sentir uma coitadinha.

A verdade é que eu sei que sou uma sortuda por ter tido um pai tão especial. Um pai que me marcou sempre hora de entrada até à meia-noite, mas que aos dezasseis anos permitiu que eu fizesse uma viagem de autocarro, sozinha, para ir conhecer França, o meu país natal; um pai que nunca me deixava ir a discotecas, mas que me incentivou a ir dez dias para Itália quando eu tinha dezassete anos; um pai que não foi além da quarta classe (tirada na tropa como ele gostava de dizer), mas que me deixou abrir asas para eu ir estudar para cento e oitenta quilómetros de casa; um pai que sempre me apoiou e amou incondicionalmente (e eu fui uma filha que dei trabalho).

E é por isto e muito mais que eu, por mais sofrida que esteja, por mais saudades que já tenha, por mais lágrimas que chore, não me sinto infeliz. A gratidão e o amor que eu tenho é tanta que nunca deixariam que fosse de outra maneira.

(texto publicado na edição de 5 de dezembro de 2013)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo