Assinar Edições Digitais
Necrologia

Aurélio Gonsalves: Uma vida a ajudar os bombeiros a crescer

Esteve ligado à fundação dos Bombeiros da Batalha, foi o seu primeiro comandante e era comandante honorário.

Esteve ligado à fundação dos Bombeiros da Batalha, foi o seu primeiro comandante e era comandante honorário. Aurélio Gonsalves faleceu dia 9, domingo, contava 89 anos de idade.p45-aurelio-gonsalves

Natural do Funchal, Aurélio António Agrela Gonsalves, viveu em África 22 anos, tendo exercido diversas funções profissionais naquele continente. Vivia em Leiria quando participou ativamente na fundação dos Bombeiros Voluntários da Batalha, em 1978. Esteve igualmente ligado aos primeiros anos do Jornal da Batalha, publicação que dirigiu durante uma década, tendo igualmente desempenhado funções de delegado da proteção civil na Batalha. O funeral de Aurélio Gonsalves decorreu na tarde da última segunda-feira, na Batalha. Nesse dia foi decretado luto municipal.

Em fevereiro de 2012, Aurélio Gonsalves foi homenageado na Batalha pela Associação de Bombeiros Ultramarinos que sublinhou a relevância do ex-comandante no movimento voluntário em Angola. É que Aurélio Gonsalves foi igualmente comandante dos Bombeiros Voluntários de Cabinda. A associação, que representa os bombeiros portugueses que prestaram serviço nas antigas colónias, surgiu em sequência de diversos encontros na sede dos bombeiros da Batalha. E Aurélio Gonsalves esteve também na fundação da associação. Na cerimónia de fevereiro de 2012, o primeiro comandante dos soldados da paz da Batalha lembrou: “Os meus filhos dizem que não os vi crescer, o que é verdade. Mas vi crescer os bombeiros. E fico feliz por tê-los visto crescer”.