Select Page

Crónica irregular: Em Angola, por amor…

Crónica irregular: Em Angola, por amor…
Sofia Francisco, professora giraaosquarenta@gmail.com

Nunca tinha tido familiares a viver em África e nunca tinha tido o desejo de conhecer a terra vermelha. Eu deveria saber que nunca é palavra que nunca se deve usar…

Este verão, eu e os meus rapazinhos, depois de vacinas e vistos tratados, cruzámos o oceano em direção a Angola, para abraçarmos quem tanto amamos. Somos umas das muitas famílias portuguesas separadas por mar e quisemos passar trinta preciosos dias os quatro e, ao mesmo tempo, aproveitar para descobrir a magia desta terra que quem passou por cá não esquece.

Quando cheguei, foi impossível não me emocionar com a grandiosidade das paisagens, com o bulício das gentes, com o sorriso lindo das crianças, com as cores de um país que neste momento acolhe tantos portugueses. Tento não olhar à minha volta com estes meus olhos que saem pela primeira vez da Europa, mas muitas vezes não consigo. É todo um mundo que é diferente, um mundo amplo, que está a abrir horizonte não só a mim, como aos meus filhos.

Em final de agosto voltaremos a Leiria, os meus filhos pegarão nas suas mochilas a cheirar a novo, e eu ouvirei de novo o despertador a acordar-me às sete horas. Mas seremos outros. E seremos melhores.

Aproveito este espaço para agradecer à minha mãe, irmã e sobrinha que ficaram a tomar conta de um elemento importante da família: Izzie, a cadela rafeira com mais pedigree de Maceira e arredores.

(texto publicado na edição de 14 de agosto de 2014)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo