Select Page

Escrevivendo: Elogio da viagem

Escrevivendo: Elogio da viagem
António Gordo, professor (ap.) antoniogordo@gmail.com

Quase todos descobrimos tarde que a “vida ativa” nos afasta da realidade que está para além do nosso espaço quotidiano, apesar de as novas tecnologias terem transformado o Mundo numa pequena aldeia. Vemos, então, que não é a mesma coisa apreciar os encantos dum lugar no ciberespaço ou sentir a sua magia visitando-o realmente. Eu confirmo-o cada dia, à medida que mo permite a minha nova “profissão” de “técnico superior de lazer”, na expressão de um amigo que sadiamente me inveja o estatuto. De facto, o prazer de viajar livremente pelos mais variados lugares tem-me tornado confortável a assumida condição de “homo viator” (“homem viajante”), e não apenas no sentido da expressão em Gabriel Marcel – o do ser que caminha em busca de sentido para a vida. Todos viajamos insatisfeitos pelos diferentes espaços e tempos das nossas vidas, construindo esperança. E essa condição impõe-nos a urgência de viver intensamente os tempos e visitar o maior número de espaços, sem pressas de chegar ao último destino. Importa saborear serenamente cada etapa como uma página dum livro surpreendente, para usar a conhecida imagem de Santo Agostinho (cito de cor): “o mundo é um livro e quem não viaja só lê uma página”.

Por mim, vou-o folheando ao meu ritmo, enquanto imagino, como estímulo, o que diria e faria Agostinho se vivesse em tempo de autocaravanas e aviões.

(texto publicado na edição de 11 de setembro de 2014)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo