Select Page

Helena Vasconcelos

Helena Vasconcelos

hml.vasconcelos@gmail.com

O meu diário: Gungo

Mar 30, 2017 | Opinião | 0 comments

Quem vai ao Gungo tem de lá voltar. O Gungo fica em Angola a cerca de 800 km de Luanda. Fica num relativo interior porque 70km não deveria significar ser interior, mas quando se demora 5 horas a percorrê-los tudo é considerado assim. Não tem água, não tem luz, não tem médico e educação é escassa. Quase não tem casas de tijolos e carros contam-se pelos dedos das mãos e devem sobrar muitos dedos. Tem milhares de crianças, tem um povo alegre e fraterno, tem montanhas e paisagens surpreendentes, daquelas que apesar do sol intenso fazem a gente arrepiar-se. Tem bananas, feijão, milho, mandioca, café e amendoim. E este último foi para mim uma revelação porque ao contrário do que pensava não fica pendurado nos arbustos mas é uma espécie de batata (tubérculo) e arranca-se como as ditas. Tem galinhas, porcos e cabritos à solta e cobras e lagartos e outros repteis escondidos debaixo das pedras.

Tem uma estrada (picada) que para lá chegar convém amarrar os ossos e os órgãos sob pena de chegarmos lá com o fígado à esquerda e com o rádio e o cúbito entrançados.

Tem ainda um grupo de malucos daqui da terra, missionários da diocese Leiria- Fátima, Grupo missionário Ondjeto liderados no momento pelo padre David. O padre David batizado logo pelo padre Macguiver porque tanto diz missa como repara carros geradores, constrói casas ou faz blocos de tijolo com terra local. A Susana Querido, que casa bem com o apelido, uma professora que largou tudo para apoiar a missão e a mana Teresa que, sendo originaria do Gungo, já domina doenças e medicamentos e já dá consultas. Esta gente é inspiradora e um exemplo a seguir e apoiar. Nós associação Atlas fomos ao Gungo e viemos rendidos. Rendidos à pobreza dessa gente que contrasta com o riso franco e aberto de quem não tem nada a perder porque já tudo está perdido quando nascemos num lugar assim. Quando ouvimos mulheres a dizer que são mães de 10 filhos 5 na terra e 5 vivos, quando só dão nome definitivo às crianças depois dos 2 anos porque como morrem muito não convém investir demais. O sentido da existência está lá nas coisas simples, na gente indefesa e em terras como esta que a entreajuda vale mais do que um cartão visa (lá não vale mesmo nada).

(Texto publicado na edição de 23 de março de 2017)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que avance, a curto prazo, o processo de regionalização?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Semana de Moldes 2018

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Share This