Select Page

Pedro Santos de Oliveira

Pedro Santos de Oliveira

Publicitário

 

poliveira@sistema4.pt

 

Lobo frontal: O azulejo PAN AM – Uma marca dos tempos

Jul 27, 2017 | Opinião | 0 Comentários

A recente notícia da possibilidade da classificação do Painel de Azulejo da PAN AM do Reguengo do Fétal como monumento fez-me recordar não só o trajecto semanal da minha infância e juventude, da Batalha para casa dos meus avós em Ourém, mas sobretudo um projecto da Câmara Municipal da Batalha em que tive a honra de participar, já lá vai uma década.

Em 2007, pouco tempo depois da eleição do Mosteiro da Batalha como uma das 7 maravilhas de Portugal, foi-nos lançado o desafio para a utilização daquela estrutura em betão com dezoito metros de comprimento por seis de altura, situada na encosta sobranceira à aldeia do Reguengo do Fétal, mesmo de frente e em destaque para quem circula no sentido Fátima/Batalha pela antiguinha EN356, como suporte para a divulgação e publicitação de tão honrosa distinção pública. Tratava-se de um painel estruturalmente estável, mas sem qualquer utilidade, sem um dono activo e situado num terreno público, mesmo a jeito para ser transformado num suporte de publicidade exterior útil, com muita visibilidade e disponível. Se, do ponto de vista do layout gráfico a desenvolver, a discussão foi como sempre … subjectiva, já as questões práticas e materiais do tipo de solução técnica foram, desde a primeira hora, bastante objectivas e pragmáticas: Todas as soluções seriam equacionáveis, poderiam e deveriam cobrir a totalidade da face de exposição, mas sem danificar um azulejo que fosse. O objectivo era usar sem estragar o edificado. E assim se fez. Apesar de muito mais prácticas, duradouras, resistentes e económicas, e da superfície lisa facilmente o permitir, as soluções de pintura directa ou aplicação de vinil foram postas de lado liminarmente. Foi necessário construir uma estrutura metálica exterior, fixada no verso e com apoios de reforço adicionais chumbados no terreno, e uma proteção especial em metal para deflectir os fortes ventos ali sentidos, por forma a proteger e suportar uma tela tensionada de quase 100m2, através de cabos de aço. Aliás, no início de 2013, com os ventos ciclónicos que se abateram na região, a tela também de desprendeu e foi necessário fazer a respectiva reparação. Durante cerca de sete anos, o Mosteiro fez parte do horizonte, sete quilómetros antes de se chegar à Batalha. Mais recentemente, com a construção do IC9, o tráfego pela estrada antiga diminuiu imenso, e com ele o interesse publicitário da estrutura com azulejos erguida nos idos anos 50.

Hoje, a estrutura continua em boas condições e, apesar de ser necessária a recuperação e reparação de alguns azulejos que com a erosão se foram descolando, considero uma excelente ideia a classificação, seja ela qual for, que permita a manutenção e preservação, para sempre, deste símbolo da cultura universal que tivemos a sorte de acolher na nossa região. Se não, vejamos:

  1. A empresa PAN AM já não existe desde 1991 e foi uma das maiores e a mais elegante e carismática companhia aérea de todos os tempos. Recentemente, em 2011, foi até tema central de uma série televisiva mundialmente famosa, precisamente, com o nome PAN AM. Os aviões já não voam, mas continuam na memória colectiva de, pelo menos, meio mundo.
  2. É um legado raro, não só como marca, mas também pelo tipo de material empregue na sua construção, azulejos produzidos pela igualmente histórica e centenária Aleluia Cerâmicas.
  3. Com custos relativamente baixos se conseguirá mais um atractivo cultural e turístico de relevo e fora do vulgar.

Tal como outros azulejos famosos que, no século passado, deram vida às marcas (alguns ainda dão), pelas estradas de Portugal, como a Mabor, o Licor Beirão ou o Nitrato do Chile, o painel da PAN AM do Reguengo do Fétal é um património universal de que nos devemos orgulhar e que contribui para a nossa afirmação enquanto povo tolerante, aberto e culturalmente desenvolvido. Que em suma, contribuirá para o reforço da nossa marca territorial regional e também nacional.

Nota: Entenda-se este espaço de opinião como uma partilha de perspectivas pessoais acumuladas nestes mais de vinte e cinco anos de trabalho, com projectos de comunicação e marketing, sobretudo da região, e não tanto como fundamento técnico para uso académico ou profissional.

O autor escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Concorda com um agravamento de 30% na quota de condomínio para os proprietários de alojamento local?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This