Select Page

José Vitorino Guerra

Tempo incerto: Pobres alunos do século XXI

Jan 18, 2018 | Opinião | 0 comments

A Escola é um dos instrumentos privilegiados para a inculcação de um modelo de pensamento único, sobretudo quando ao serviço de doutrinas totalitárias que visam a construção de um “homem novo”, de acordo com os seus princípios ideológicos.

Numa democracia liberal e pluralista, a Escola julgava-se liberta da função doutrinária que lhe atribui o Estado Totalitário. Todavia, o crescente predomínio do “educativamente correcto” resvala cada vez mais para a imposição de um modelo único de valores e de comportamentos.

A Escola assume um claro papel ideológico, condicionador da pluralidade inerente a uma democracia política, mesmo quando os conteúdos a propagar surgem embrulhados num rótulo dito humanista.

O nosso Ministério da Educação, um alfobre de vanguardismo pedagógico, não podia ficar indiferente aos desafios do futuro e concebeu o “Perfil do Aluno para o Século XXI”. Um manifesto grandiloquente, de onde há-de sair um novo “Homo Lusitanus”, um super-homem, expurgado dos defeitos da natureza humana, protegido contra o “erro e a ilusão”, reconhecedor do “elo indissociável entre a unidade e diversidade da condição humana”, portador de uma “identidade planetária considerando a humanidade como comunidade de destino”. O aluno da “geração global” deve ser “capaz de intervir na vida e na história dos indivíduos e das sociedades, tomar decisões livres e fundamentadas sobre questões naturais, sociais e éticas, e dispor de uma capacidade de participação cívica, ativa, consciente e responsável”.
Estabelece-se, sem fundamentação, um pretensioso pacote de valores, princípios, orientações, competências, atitudes e descritores operativos que nos fazem duvidar da capacidade de todos nós, comuns mortais, para assimilarmos a grandeza dos objectivos propostos, nos quais se inclui “a continuidade histórica da civilização humana”.
Na parte final do documento, revela-se a essência da boa nova: a acção educativa é compreendida como uma mera acção formativa.

Mais uma vez, a crença na natureza providencial da Escola faz descer uma ilusória fantasia pedagógica sobre os graves problemas que a afectam. A degradação da Escola, enquanto instituição, da qualidade do ensino e do conhecimento vão poder continuar. Pobres alunos do século XXI.

(Artigo publicado na edição de 18 de janeiro de 2018)
Escrito de acordo com a antiga ortografia

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda com a mudança de nome do Estádio de Alvalade para Estádio Cristiano Ronaldo?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This