Select Page

José Vitorino Guerra

José Vitorino Guerra

Tempo incerto: Os efectivos

Fev 8, 2018 | Opinião | 0 comments

Portugal constitui um triângulo estratégico no Atlântico, com o continente e os arquipélagos insulares, e a via marítima representa a principal fonte que alimenta o país e a sua economia. Existe, ainda, a possibilidade de ser aumentada a área oceânica sob jurisdição nacional para além das 200 milhas, o que trará uma responsabilidade acrescida numa zona superior a 2 milhões de km2 e novas oportunidades relacionadas com a economia do mar.

O país é membro fundador da OTAN e integra a Cooperação Estruturada Permanente, que pretende elevar os meios de defesa e de segurança da Europa para novos patamares de crescente autonomia, dotando-a de uma capacidade militar própria.

Tem militares ao serviço da UE, da OTAN e da ONU, assim como destacamentos em países mergulhados em conflitos, como a República Centro Africana ou o Afeganistão, para onde o governo pretende enviar um novo contingente.

Possui, também, uma população dispersa pelo mundo que pode necessitar de ser auxiliada ou evacuada com o apoio de meios bélicos.

Seria de pensar que um país com estas características e circunstâncias daria atenção aos problemas da segurança e da defesa, bem como às suas vulnerabilidades. Era previsível que houvesse um amplo debate político sobre as Forças Armadas, as suas missões e gritantes insuficiências, que, no entanto, não têm impedido os militares envolvidos em missões da OTAN ou da ONU de as cumprirem condignamente, mesmo com equipamentos obsoletos e inadequados.

Todavia, num país pouco dado à reflexão estratégica e crente de que está ao abrigo de qualquer infortúnio, o poder político vem-se revelando incapaz de pensar as Forças Armadas e de as dotar com os meios necessários ao cumprimento das missões que lhes atribui, num contexto internacional instável e com novas ameaças.

Regista-se, ainda, uma escassa incorporação de produtos de fabrico nacional nos meios e equipamentos utilizados e tem-se vindo a desmantelar as indústrias de defesa ou a proceder à sua alienação.

A tudo isto acresce uma contínua redução de efectivos e crescentes dificuldades de recrutamento. No ano passado saíram das fileiras do Exército 2300 praças. Está na altura de se reconsiderar, por razões de cidadania e de segurança colectiva, a reintrodução do Serviço Militar Obrigatório.

Escrito de acordo com a antiga ortografia

(Artigo publicado na edição de 8 de feveiro de 2018)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

As autarquias deveriam aplicar coimas aos feirantes pelo lixo deixado no recinto dos mercados de rua?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo