Select Page

José Vitorino Guerra

José Vitorino Guerra

redacao@regiaodeleiria.pt

Tempo incerto: No purgatório

Abr 15, 2018 | Opinião | 0 comments

História do País tem oscilado entre ciclos de dependência e de resistência à dependência. Face ao declínio do Império do Oriente, a elite nacional, entre 1580-1640, abdicou da soberania para se render a Espanha. Depois, foi-se tornando dependente da potência marítima dominante, a Inglaterra, entre o século XVII e as primeiras décadas do séc. XX.

A política manufactureira do Conde da Ericeira morreu com os interesses da aristocracia vinhateira e o Tratado de Methuen (1703). Os efeitos da tentativa desenvolvimentista do Marquês de Pombal não resistiram à reacção interna e às consequências das invasões francesas (1807-1811). No rescaldo, passámos a ser um protectorado inglês.

O século XIX, marcado pela lenta e sangrenta afirmação do liberalismo, esgotou-se na dependência externa e na intromissão político-militar estrangeira.

A “Regeneração” de Fontes Pereira de Melo trouxe os caminhos de ferro e a crença no progresso, que se desfez às mãos dos credores ingleses e no Ultimatum de 1890.

O discurso nacionalista da 1ªRepública não obstou ao envio de tropas para a Flandres, na 1ªGuerra Mundial, amparado pela ajuda britânica e em mais empréstimos contraídos em Londres.

Salazar, após ter alimentado a autarcia, viu-se obrigado, após a 2ªGuerra Mundial, a abrir a economia ao capital estrangeiro e a ensaiar a industrialização, enquanto a questão colonial amarrava o regime a um caminho sem retorno.

Marcello Caetano, entalado entre a necessidade de reformar e a defesa do império, falhou a modernização, apesar de ter lançado as bases para grandes projectos, como o porto de Sines e a barragem do Alqueva.

A adesão à CEE, num país dado à mitificação das ilusões, foi um novo alento. À custa dos “dinheiros fáceis”, o País abdicou de interesses nacionais permanentes e alimentou o sonho de “melhor aluno,” no reinado de Cavaco Silva. Três bancarrotas e uma contínua perda de soberania deviam ter feito soar o alarme sobre as fragilidades estruturais e os erros na acção política. Em anos recentes, empresas estratégicas foram alienadas ao capital estrangeiro e a Banca transformou-se num sorvedouro da riqueza nacional. Temos, agora, melhor qualidade de vida, mas também a pagamos com dependência política e económica.

Escrito de acordo com a antiga ortografia

(Artigo publicado na edição de 12 de abril de 2018)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara de Leiria deve transferir, a partir de 2020, a Feira de Maio para uma nova localização?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Share This