Select Page

José Vitorino Guerra

José Vitorino Guerra

redacao@regiaodeleiria.pt

Tempo incerto: A oposição

Mai 5, 2018 | Opinião | 0 comments

É inerente ao conceito de democracia a existência de forças políticas que fiscalizem e se oponham à actuação do poder. Forças políticas que, com os seus programas e pela sua acção, venham a constituir-se como alternativa. Não se lhes pede apenas que exerçam o direito de opinião, mas que sejam uma voz da diferença, tanto em questões estruturais como em relação à prática do poder e aos seus projectos.

À medida que passamos do poder central para o autárquico, a tendência é para pessoalizar a acção política e construir poder em torno de uma figura mais ou menos influente na comunidade. A este nível, esbatem-se as diferenças ideológicas, submersas numa rede de ligações pessoais e corporativas e de interesses de proximidade.

O exercício do direito à diferença passa a ser muito estreito, sobretudo perante um partido com uma maioria absoluta. Nestas circunstâncias, manter o discurso e o combate político nas meras instâncias institucionais é redutor e apenas beneficia quem controla o poder. As minorias acabam por ter, por omissão, apenas um papel legitimador.

Precisamos de uma oposição capaz de alertar o cidadão para o que considera certo ou errado na prática de quem governa, de se envolver em combates por causas públicas e construir novos projectos políticos.

Passado o período eleitoral, a sensação que se tem é de que os partidos da oposição entram num processo de hibernação, limitando-se, circunstancialmente, a estarem nos lugares para que foram eleitos, sem que a sua voz transcenda o gueto onde se deixaram encerrar.

Se a oposição é fraca, cai-se com facilidade no conformismo. O poder, demasiadas vezes, tem tendência a sentir-se impune e a actuar como muito bem lhe apetece, sem qualquer tipo de informação aprofundada sobre as suas acções ou debate público que a oposição tinha a obrigação de despoletar.

Existe, ainda, uma outra condicionante na vida da oposição. Os portugueses, por hábito e cultura, gostam de comentar os actos do poder, à boca pequena, com o sabor picante de os envolverem num clima de suspeições de diverso calibre, mas tendo muita dificuldade em discordarem abertamente do poder. Alguns por receio e outros por não saberem quando vão precisar dele.

Escrito de acordo com a antiga ortografia

(Artigo publicado na edição de 3 de maio de 2018)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a idade mínima de voto em Portugal seja aos 16 anos?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Share This