Select Page

José Vitorino Guerra

José Vitorino Guerra

redacao@regiaodeleiria.pt

Tempo incerto: Um preocupante desencanto

Mai 27, 2018 | Opinião | 0 Comentários

Não posso deixar de partilhar a preocupação de um crescente número de portugueses com a qualidade da democracia e a sustentabilidade dos seus princípios organizacionais, perante o pântano em que se vem transformando a vida pública e que, numa situação extrema, pode acabar por sufocar a liberdade e o regime.

Não merecemos andar permanentemente mergulhados num quotidiano de escândalos em que se deixou cair uma parte significativa da elite dirigente e da sociedade, por ambição desmedida, corrupção ou silenciosa e cúmplice conivência, incapaz de distinguir entre o bem e o mal. Escândalos que suspeitamos não serem ainda mais, em razão de quem os investiga não ter os meios adequados para aprofundar e alargar a sua capacidade de acção e de intervenção.

Não merecemos a contínua perda da autoridade do Estado, da dignidade institucional e do sentido de serviço público e muito menos merecemos o esvaziamento da soberania que nos vai transformando num país dependente e conformado.

Não merecemos as profundas desigualdades sociais nem as enormes bolsas de pobreza e muito menos ser olhados como “uma potência do futebol” onde tudo se pode passar impunemente por muitas zonas sombrias e de violência que gravitem em torno da bola.

Perante a situação social e a prática política que se vem arrastando há muito tempo, num crescendo de degradação, não é de estranhar que muitos se afastem dos valores, da participação cívica e dos comportamentos que devem sustentar a democracia e outros achem que “é tudo farinha do mesmo saco.”

À medida que se desvanece a confiança nas instituições, nos partidos e no regime, devia ter-se em atenção que não desapareceu a atracção de demasiados portugueses por formas autoritárias ou personalizadas de governação populista.

E se precisamos de ver restaurada a confiança nos agentes partidários, nas instituições democráticas e no sistema eleitoral, não podemos deixar de registar a falta de vontade e a ausência de forças sociais e políticas capazes de levarem para a frente uma nova visão reformadora, liberta das teias e das cumplicidades perversas em que o regime se deixou enredar. Um regime feito para, em liberdade, servir o povo.

Escrito de acordo com a antiga ortografia

(Artigo publicado na edição de 24 de maio de 2018)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Defende a criação de Tribunais para julgar casos de violência doméstica?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This