Select Page

Passageiro do tempo: Fake news, bad news

José Manuel Silva

José Manuel Silva

Professor/gestor do ensino superior

jmsilva.leiria@gmail.com

Como era de esperar, as eleições no Brasil continuam o lodaçal em que se transformou a vida política naquele país desde que a desagregação do petismo/lulismo e a entrada em força da magistratura na investigação de casos de corrupção, com a condenação de algumas das mais proeminentes figuras do passado recente, governantes e empresários, foram abrindo caminho para fenómenos como Jair Bolsonaro.

Sem surpresa, uma das mais recentes armas de arremesso da campanha gira à volta das fake news, notícias falsas colocadas por empresas especializadas nas redes sociais, como forma de intoxicar os eleitores e puxar pela candidatura que encomenda o serviço.

O método é antigo e conhecido, eu próprio fui “vítima” dele num tempo em que ainda não havia redes sociais, mas se fazia abundante utilização de cartas anónimas e, no meu caso, também cartazes com a minha cara e uma série de disparates escritos para me desacreditarem, colocados em tudo o que era caixa multibanco. E os patrocinadores foram pessoas “respeitáveis” que assim se envolveram num processo miserável e socialmente abjeto de luta política.

O que é novo são os suportes que se utilizam, as redes sociais, que potenciam a mentira e o sucesso destas operações criminosas que contam, sobretudo, com as reações mais primárias de quem acredita em tudo o que ouve ou lê, sem capacidade crítica para analisar e tirar conclusões.

A única forma de combater estas práticas é através de mais e melhor educação, para que se formem cidadãos mais conscientes, e do jornalismo de qualidade, por permitir desmontar estas cabalas e apresentar criticamente as várias opções em disputa.

No Brasil é difícil acreditar que alguma das candidaturas tenha as mãos limpas, e estas bad news são o cerne do problema, de um lado, o petismo desacreditado (Hadad), do outro, uma herança bastarda da democracia brasileira (Bolsonaro).

(Artigo publicado na edição de 25 de outubro de 2018)

1 Comentário

  1. FABRICIO

    O senhor verificou quantos eleitores foram influenciados pelas fake news?
    O senhor observou quantos votos cada candidato ganhou com a fake news?
    O senhor percebeu quantos eleitores sabiam que receberam fake news?

    Já adianto aos seus leitores, a eleição não foi ganhada ou perdida pela fake news, mas pela real news de quem foi condenado, de quem foi processado.

    Veja quais candidatos ao Senado se reelejaram, veja se o povo foi burro

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

O Governo português informou a União Europeia que quer manter a mudança de hora. Concorda?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Share This