Select Page

Editorial: Um forte sabor a jornalismo

Álvaro Laborinho Lúcio
Director convidado

Escrevo ao computador. Coisa extraordinária, esta. Avanço, emendo, recuo, corto, colo, e tudo fica como se brotasse da origem da escrita, sem riscos ou entrelinhas. Sou um homem moderno, pois, e deslumbro-me com isso. Dado à inovação, entrego-me às delícias da tecnologia, repouso nos avanços da ciência. Tudo me vem de fora. Tudo parece chegar-me pronto. Sou agora «Director» de um Semanário Regional de prestígio. Cabe-me dirigir o primeiro número do ano que começa. Entro reservado. A ironia na fala curta é uma defesa. Passo a recepção. Atravesso o departamento comercial. Troco cumprimentos, misturo os sorrisos que trago com os sorrisos que me dão. Chego ao coração do jornal. A Redacção. Os Jornalistas. Dou com os informáticos, a um canto, num jogo de espelhos com o tempo. Recebe-me a Directora-adjunta, mais tarde o Director verdadeiro. São mais quentes os sorrisos, mais cerimoniosos os meus. Conduzem-me à sala de reuniões. É então que tudo vai começar.

O que sinto vem agora de dentro. Honra, enorme, pelo convite. Gratidão, imensa, pela recepção. E um receio contido. Da ciência, da tecnologia, não me chegam as palavras para dar expressão aos sentimentos e é com eles escondidos que parto à aventura. Coisa extraordinária, esta, dos sentimentos, das emoções.

Vejo nascer o jornal. Ali, à minha frente. Ao redor da mesa, os jornalistas, o fotógrafo, os directores, todos convocam os temas a tratar, procuram a forma a dar a cada um, afadigam-se na paginação, procuram dar coerência à edição, definem agendas, marcam encontros, entrevistas, debates.

Há um ano inteiro diante de nós. Misturam-se cultura e inteligência artificial, questiona-se os limites do digital, reclama-se um papel novo para a educação e para a escola, em tudo se pressente o relevo do político, o lugar a conceder ao pensamento, à ética, à sentimentalidade. Porque há um ano novo para abrir, regressam perguntas que vêm de antes, discute-se a instantaneidade do tempo, a superficialidade dos dias, a perda da historicidade e da memória, o valor absoluto dado hoje à eficácia. Fala-se de informação, de busca de verdade, de conhecimento universal, de humanidades. Há ali um sabor, forte, entusiasmante, a jornalismo.

Entre a Imprensa e a Região sente-se uma cumplicidade feita de troca, de entrega e de reconhecimento recíprocos.

Deixo-me envolver. É impossível não o fazer. À medida que o jornal cresce no espírito e na acção de todos, mais fácil se torna entregar-me às virtudes da ilusão. Sou então «o Director». O tempo correu. Distancio-me. Repouso no espadar da poltrona, e deixo-me levar pela imaginação.

Lá fora, silencioso e veloz, passa um carro sem condutor. Leva dentro pessoas. Silenciosas também, ouvem Bach. Definiram o destino, acertaram a rota, programaram o tempo, confiaram nos algoritmos, libertaram-se.

No encontro consigo próprias, entregaram-se, livres, à fruição da música, e da sua incomparável beleza.

Coisa extraordinária, essa, a Arte!

A Arte. Afinal, ontem, hoje e sempre, a maior invenção da humanidade.

 

Editorial da primeira edição do ano de 2020, publicada a 2 de janeiro, que teve o antigo ministro da Justiça, Álvaro Laborinho Lúcio, como diretor convidado.

Texto escrito de acordo com a antiga ortografia.

2 Comentários

  1. João Cardoso

    Na edição online que subscrevi não consigo acesso à entrevista de Álvaro Laborinho Lucio a Patricia Duarte , edição n° 4320 de 2jan2020.
    Nao está incluida a entrevista no online ou sou eu que deveria ter perguntado antes de gastar 1€ ?

    Responder
    • Patrícia Duarte

      Caro João Cardoso
      Boa noite
      Tem de se registar para conseguir aceder ao pdf. Se não conseguir, por favor, volte a contactar-nos.
      Obrigada
      Patrícia Duarte

      Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

As autarquias deveriam aplicar coimas aos feirantes pelo lixo deixado no recinto dos mercados de rua?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo