Select Page

Opinião: 3000 quilómetros de (a)mar

Sofia Francisco

Sofia Francisco

Blogger

Todas as histórias de amor são únicas. A minha e do Luís compõe-se de 8 anos de namoro, 21 de casamento e uma história que começou em 1990 e sempre se fez de muitos quilómetros percorridos entre Leiria, Viseu, Coimbra, Elvas e Góis. Em 1998, arranjámos pouso certo e o nosso caminho parecia uma autoestrada percorrida numa velocidade serena e tranquila. Mas a vida (e a crise em Portugal) tinha outros planos.

Em 2013, todas as portas se fecharam e não se entreabriam com currículos nem com histórias de amor e, por isso, o mar entre Portugal e Angola foi o primeiro a separar-nos. Seguiu-se Inglaterra, Irlanda e, atualmente, Eslováquia. Fez já sete anos que passamos muitos dias separados fisicamente, mas temos dado luta e procurado (e encontrado) caminhos comuns e paragens obrigatórias.

Como é que é amar com 3000 quilómetros a separar-vos?-perguntam-nos por vezes. Com confiança e querer-respondemos. A resposta simples reveste-se, contudo, de complexidade. Claro que já pensei que ele pode conhecer alguém e querer desistir. E sei que o mesmo já lhe passou pela cabeça em relação a mim. No entanto, quantos casais não se sentem só vivendo juntos? Quantos não terminam histórias mesmo partilhando a mesma cama os 365 dias por ano?

A nossa história tem, como a de todos, altos e baixos, discussões, pazes feitas, dúvidas e amuos, mas enquanto eu tiver a certeza de que quero envelhecer com o Luís e enquanto sentir que ele quer o mesmo, acredito que o caminho, com apeadeiros e desvios, com crateras no asfalto ou desníveis na estrada, será trilhado a dois. O que o conta-quilómetros da distância marcar será o pormenor que fará da nossa história, como todas as histórias de amor, imperfeitamente única.

(Artigo publicado na edição de 13 de fevereiro de 2020 do REGIÃO DE LEIRIA)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *