Assinar

Programa Erasmus abre horizontes, promove cidadania europeia e desperta para o mercado de trabalho

O programa transforma os alunos e deixa as escolas orgulhosas

Sair do país e estender o conhecimento além-fronteiras é, para muitos jovens, uma experiência apetecível. Se a isso se juntar o ensino e até um primeiro contacto com o mercado de trabalho, as escolas embarcam no avião.

Bem avançado na viagem está o Programa Erasmus que já deu provas das suas mais-valias junto de estudantes e estabelecimentos de ensino. O programa transforma os alunos e deixa as escolas orgulhosas.

“Não tenho dúvida em afirmar que todos os alunos ganham uma consciência acrescida do que é ser cidadão europeu e reforçam também os seus laços de pertença afetiva ao nosso país e aos países que visitam”, afirma Carina Oliveira, diretora executiva da Insignare.

Na escola de Ourém, os jovens podem realizar intercâmbios com outros estabelecimentos de ensino, com duração de uma semana, ou estágios que se prolongam até três meses.

Também no mundo do ensino profissional, a Escola Profissional e Artística da Marinha Grande (EPAMG) disponibiliza aos alunos estágios de três meses, inseridos no Programa Erasmus, e que são realizados dentro da área em estudo.

Patrícia Rosa, diretora, considera que o programa ajuda na “valorização da dimensão europeia da educação, promoção dos valores da cidadania assentes na utilização de competências linguísticas” e na “aquisição de novas competências que tornarão os alunos mais aptos e competitivos num mercado de trabalho em constante atualização”.

Também na Escola Profissional de Leiria (EPL), o contacto com uma experiência profissional está no topo das vantagens do programa.

Daniel Pereira, gestor do Programa Erasmus na EPL, indica que a experiência “oferece aos alunos uma diferente perspetiva face às metodologias e técnicas laborais” e “particularmente junto dos recém-diplomados e alunos, face à possível transição para um mercado de trabalho geograficamente mais alargado e, por conseguinte, mais potenciador de sucesso e valorização profissional”.

Incluída no ensino profissional da região de Leiria está ainda a Escola Tecnológica, Artística e Profissional de Pombal (ETAP), onde os alunos têm a oportunidade de se deslocarem para fora do país por um ou quatro meses.

Para Jorge Vieira da Silva, diretor, esta é uma experiência que estimula a “abertura de horizontes e novas perspetivas e o enriquecimento cultural”. O Programa Erasmus permite ainda aos estudantes “enriquecerem o currículo, ao aprenderem novas técnicas e metodologias profissionais, e melhoraram as competências linguísticas”.

“Também saem da sua zona de conforto, desenvolvem a autonomia, responsabilidade e gestão das finanças pessoais”, acrescenta.

No Agrupamento de Escolas da Batalha (AE Batalha), o Programa Erasmus é “uma medida central e essencial no plano educativo” dos alunos do ensino profissional e do 3º ciclo do ensino regular. Jorge Pereira, sub-diretor do AE Batalha, defende que os jovens “adquirem uma outra perspetiva do mundo e da profissão, desenvolvendo, desta forma, várias aprendizagens e competências e soft skills fundamentais para o seu futuro”. Além disso, ainda desenvolvem competências noutra língua que não a materna.

Cultura no topo das expectativas dos alunos

Conhecer outras culturas e fazer novos amigos são pontos comuns a estes estabelecimentos de ensino no que diz respeito às expectativas dos jovens que participam no Programa Erasmus. Mas aquilo que esperam da experiência não fica por aqui.

Carina Oliveira refere que “os alunos esperam que seja uma aventura nas suas vidas, um contributo para conhecerem outras culturas, experimentarem nova gastronomia e testarem a sua vida numa sociedade distante”.

“Os alunos ganham uma consciência acrescida do que é ser cidadão europeu”

Carina Oliveira, diretora executiva da Insignare

A somar a isso, será ainda uma oportunidade de se afirmarem no seu círculo familiar e pessoal.
Por seu lado, Jorge Pereira indica que, para os alunos do AE Batalha, esta é “uma experiência muito rica de imersão cultural e histórica, que os permite contactar com colegas de todos os países com que o agrupamento tem projetos em comum e ter uma experiência que nunca mais esquecerão, em muitas situações [ganham] amizades que ficam para a vida”.


Na ETAP e na EPL, os estudantes estão mais focados nas mais-valias profissionais. Jorge Vieira da Silva aponta o enriquecimento do currículo, aprendizagem de novas técnicas profissionais e de novas formas de trabalho e a consolidação de competências, como a autonomia e a responsabilidade, como estando no topo das preocupações (positivas) dos alunos.

Já na EPL, segundo Daniel Pereira, os alunos esperam, acima de tudo, poder “usufruir de atividades com componente de aprendizagem em contexto profissional, partilhando e aplicando diferentes metodologias de trabalho, com vista à melhoria do desempenho e progressão de carreira”.

No que diz respeito aos alunos da EPAMG, Patrícia Rosa acredita que esperam “desenvolver as suas aprendizagens, tornarem-se cidadãos autónomos e resilientes e saírem da sua zona de conforto, possibilitando uma evolução pessoal e profissional”.

Um grupo de alunos da Escola Profissional e Artística da Marinha Grande vai participar numa atividade do programa Erasmus na Alemanha

O entusiasmo destes jovens reflete-se ainda no número de intercâmbios que foram ou serão ainda realizados, no decorrer deste ano letivo (2021/2022). A Insignare ‘enviará’, em maio, cerca de 50 alunos para várias empresas, fora de Portugal, onde farão estágios ligados às suas áreas profissionais.

A EPAMG conta integrar, entre 19 de abril e 8 de julho, 40 alunos em estágios em mobilidade e oito professores em formação job shadowing. Deste total, 28 alunos e cinco professores dizem respeito ao projeto iniciado em 2019 e que foi suspenso devido à pandemia.

Em Pombal, 31 alunos da ETAP vão estar, entre maio e setembro, para lá da fronteira portuguesa. De Leiria, partem dois recém-diplomados da EPL.

Por fim, no AE da Batalha, 22 alunos estiveram ou estarão inseridos em estágios no estrangeiro, por um período de dois meses” e 16 estudantes deslocaram-se, ou irão ainda deslocar-se, durante uma semana, a escolas com projetos em comum com a de origem.

Para onde?

Eslovénia, Itália, Irlanda e Espanha compõem a lista de países a partir da qual os estudantes do ensino profissional do AE Batalha poderão escolher um destino para a realização de um estágio.

Já na modalidade de parcerias estratégicas entre escolas, é o projeto em comum que define os países possíveis de destino: “Problem Based Learning” – Alemanha, Itália e Croácia; “International School Station” – Roménia, Itália e Polónia; “A Lab in my Pocket” – Itália, Hungria, Espanha, Turquia e Roménia; “European Tunes Choir for Peer Bullying” – Inglaterra, Letónia, Turquia, Itália e Grécia; “ALL WE NEED IS A NEW SY(STEM)” – Finlândia, Turquia, Estónia, Itália e Hungria; “Robotics: As a Tool to Prevent Bullying” – Suécia, Eslovénia, Turquia, Estónia, Roménia.

Na ETAP são países como a Alemanha, França, Itália, Irlanda, Áustria, Suécia, Noruega, Islândia e Dinamarca que recebem estudantes de Pombal. Já a EPL estabelece protocolos no âmbito do Programa Erasmus com Espanha, para cidades como Barcelona ou Vitória-Gasteiz.

Alguns destes países estão também entre as possibilidades para os alunos da EPAMG – Irlanda, Itália, Alemanha e Espanha.

Por último, na Insignare, Carina Oliveira explica que não está “limitada a participação por países” e, ao longo dos anos, os alunos têm passado por quase todos os destinos europeus. “No ano passado e também este ano, embarcamos numa nova aventura de alargamento do projeto Erasmus ao continente africano, tendo havido já as primeiras mobilidades, que passaram pelo Quénia, Cabo Verde e Camarões, restando ainda realizar viagens aos restantes parceiros, Angola e Nigéria”, completa.

Seja num ou noutro canto da região de Leiria, a vontade de ultrapassar as fronteiras nacionais e ter uma experiência além de Portugal tem várias respostas. As vantagens para alunos e estabelecimentos são por demais evidentes. Resta escolher o país ou projeto de destino, ganhar coragem e embarcar na aventura. s

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.