Assinar
Sociedade

Documento pede afastamento do Comandante dos Bombeiros de Leiria

Um abaixo assinado a pedir o afastamento do comandante dos Bombeiros Municipais de Leiria vai ser entregue na segunda feira na Câmara de Leiria.

Um abaixo-assinado a pedir o afastamento do comandante dos Bombeiros Municipais de Leiria vai ser entregue na segunda feira na Câmara de Leiria, disse o presidente da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP).

Segundo Fernando Curto, o documento, apresentado pela ANBP e pelo Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais, é subscrito pela quase totalidade dos 60 elementos da corporação de Leiria que alegam descontentamento e dificuldades operacionais na sequência da alteração das condições de trabalho.

O abaixo-assinado sustenta que o comandante da corporação “prejudica o bom funcionamento da actividade do corpo de bombeiros”, impondo “novas regras de funcionamento e de horário de trabalho sem audição” dos elementos ou das suas instituições representativas.

O documento aponta também a inexistência de “entendimento operacional” entre os bombeiros e o comandante, acrescentando que os elementos “não se reveem nas posições assumidas” pelo responsável da corporação, que acusam de não os defender.

“A proposta que o senhor comandante formulou para a reestruturação dos turnos e a consequente diminuição do número de efectivos por turno vai colocar em causa a própria segurança dos bombeiros”, revela ainda o abaixo assinado, acrescentando que “está diminuída a capacidade operacional dos bombeiros municipais para prestar um socorro de acordo com as necessidades das ocorrências, na salvaguarda das populações e bens dos munícipes de Leiria”.

O presidente da ANBP explicou à agência Lusa que houve uma alteração dos turnos e do seu número de efectivos, que passou de quatro turnos com doze elementos, para cinco turnos com dez bombeiros.

“Doze já era pouco”, afirmou Fernando Curto, considerando que “dez pessoas por turno é pouco, é péssimo para a zona de Leiria” e “piora as condições de trabalho, pois há mais trabalho para menos pessoas”.

“Chega-se ao ridículo de haver mais viaturas que elementos para as conduzir”, anotou o dirigente, salientando a “insatisfação” dos bombeiros e a “insegurança” que esta situação acarreta para os efetivos e população.

Já o comandante dos Bombeiros Municipais de Leiria, Artur Figueiredo, declarou que “as medidas que foram tomadas nos últimos dois anos garantem melhores condições de trabalho e de operacionalidade”.

“Na prática existirão por turno onze elementos”, esclareceu, acrescentando que, na eventualidade de ser necessário, são mobilizados mais bombeiros.

Para Artur Figueiredo, este é um “número adequado às necessidades”, atestando que “o socorro no concelho é garantido por quatro corpos de bombeiros”, pelo que a segurança do município não pode ser vista do ponto de vista exclusivo da atuação dos Bombeiros Municipais.

Por seu turno, o presidente da Câmara Municipal de Leiria, Raul Castro, prometeu analisar o abaixo assinado e tomar uma posição adequada.

Raul Castro garantiu, contudo, não haver razão para o afastamento do comandante dos Bombeiros Municipais de Leiria, atendendo ao seu “bom desempenho”, pelo que mantém “confiança no trabalho que está a desenvolver”.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.