As operações de buscas das duas jovens que desapareceram ontem à tarde, segunda-feira, no mar do Seixal, no concelho do Porto Moniz, no Norte da ilha da Madeira, foram retomadas esta manhã, apesar da forte ondulação registada na zona.

Uma das jovens desaparecidas tem 20 anos e é natural do lugar de Bom Vento, freguesia de Carvalhal, no concelho de Bombarral. A segunda é natural da freguesia de Santo António, na Madeira.

As duas jovens, estudantes de Psicologia na Universidade de Lisboa, foram ontem arrastadas por uma onda gigante quando se encontravam na praia das Lajes com mais dois amigos – um rapaz e uma rapariga, entretanto resgatados. Ambos sofreram ferimentos diversos, tendo recebido tratamento no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal.

Na altura do acidente estava activo um aviso das autoridades para as condições climatéricas adversas e perigosas, devido a previsões de ondas de noroeste com quatro a cinco metros, noticia a agência Lusa.

O alerta foi dado cerca das 15 horas, tendo sido activados de imediato meios da Marinha, Força Aérea Portuguesa, Polícia Marítima, Protecção Civil e da Associação Madeirense de Socorro no Mar (SANAS). As buscas prosseguiram por ar e terra até às 19h30, mas sem resultados.

Hoje, cerca de 30 elementos, de várias entidades, estão envolvidos nas operações de busca, disse à agência Lusa o comandante Amaral Frazão, responsável pela Zona Marítima do Funchal.

Para a zona foram também enviadas lanchas do SANAS, da Autoridade Marítima, e um grupo de mergulho forense para prestar apoio no caso de algo ser detectado e para resgate das pessoas desaparecidas.

“Neste momento, as condições não estão muito favoráveis. Temos vento forte do quadrante Oeste e agitação marítima também significativa de Noroeste, o que condiciona as operações junto à linha terrestre”, indicou.

A preia-mar dá-se por volta do meio-dia, altura em que será feita uma reavaliação, mas até lá espera-se um aumento de agitação.