Vinte portugueses vão atravessar em março o deserto do Saara em BTT e levar brinquedos, material didático e kits para desnutrição destinados a crianças marroquinas, revelou hoje à agência Lusa um dos organizadores.

Paulo Gomes (fotografia: CMMG)

Paulo Gomes, residente em Vieira de Leiria, Marinha Grande, explicou que o grupo integra pessoas de todo o país, nomeadamente antigos ciclistas profissionais.

“Todos nós já praticámos BTT e temos feito nos últimos meses preparação para esta jornada”, disse Paulo Gomes, empresário de 39 anos, acrescentando que move o grupo o “desafio, a aventura, o espírito de solidariedade e a vontade de fazer algo diferente”.

Considerando tratar-se de um “teste à resistência” dos participantes, o responsável reconheceu que serão necessárias “determinação” e “tenacidade” para alcançar a “vitória de concretizar este sonho”.

“É uma grande prova à aptidão física e mental”, adiantou, referindo que “a ideia nasceu de uma prova mundial que percorre, basicamente, os mesmos trilhos, uma espécie de Dakar das Bicicletas”.

O projeto, denominado “Travessia no Deserto – Spiuk Experience”, realiza-se entre 04 a 08 de março, em cinco etapas de dificuldade média/alta. Quatro são diurnas, com temperaturas que podem atingir os 47 graus, e uma noturna, com temperaturas até aos cinco graus negativos, num percurso de cerca de 500 quilómetros.

Paulo Gomes admitiu que as temperaturas não serão a única dificuldade do percurso, cuja finalidade é “levar algum conforto e alegria” às crianças.

“Há sempre fatores que não podemos controlar, como as tempestades de areia, mas fomos preparados para as coisas inesperadas que possam surgir”, declarou.

Os ciclistas começam a pedalar em Taftechna e terminam em M’hamid. Pelo caminho vão ter o apoio de quatro jipes e um miniautocarro, onde são transportados os bens recolhidos e oferecidos pelas autarquias de Vieira de Leiria e Marinha Grande, empresas, particulares e uma organização não governamental.

Os participantes vão também levar às costas alguns dos artigos que, pelo caminho, entregarão às crianças, esperançados de que o lema da viagem “trocar quilómetros por sorrisos” seja uma realidade.

“As ofertas superaram as nossas expetativas e abandonámos a ideia de ‘vender’ os quilómetros que iríamos percorrer, isto é, o nosso esforço, de forma a angariar bens”, referiu o empresário.