Assinar Edições Digitais
Cultura

Crise “rouba” quase um terço dos visitantes ao CIBA

A crise económica roubou quase um terço dos visitantes habituais ao Centro de Interpretação Batalha de Aljubarrota (CIBA), em São Jorge, Porto de Mós. Os números são da Fundação Batalha de Aljubarrota (FBA) no seu relatório e contas de 2012.

A crise económica roubou quase um terço dos visitantes habituais ao Centro de Interpretação Batalha de Aljubarrota (CIBA), em São Jorge, Porto de Mós. Os números são da Fundação Batalha de Aljubarrota (FBA) no seu relatório e contas de 2012.

ciba
O numero de visitantes no Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota caiu 30,3% no ano passado. Mas o número de visitantes estrangeiros tem-se mantido constante

No documento, é revelado que no ano passado, o CIBA registou 35.418 visitantes, menos 30,3% que no ano anterior. Efetivamente, desde a sua abertura em 2008 e até 2012, o número de visitantes não parou de crescer, tendo atingido nesse ano 50.847. A fundação atribui esta quebra à “diminuição do poder de compra dos portugueses”.

“O aumento progressivo dos combustíveis e o aumento da taxa de IVA na restauração pesam, e muito, na decisão de um agregado familiar em visitar o país”, considera João Mareco, diretor do CIBA que anuncia que estão a ser preparadas “diversas parcerias, novos programas para promover a atratividade dos turistas”: a ideia passa por visitar mais locais a preços mais convidativos.

Apesar da crise, o centro – inaugurado em outubro de 2008 pelo Presidente da República, Cavaco Silva – regista estabilidade no que se refere ao número de visitantes estrangeiros adultos que, em média, são cerca de dois mil por ano. Brasileiros, espanhóis e franceses são os mais comuns, revela o relatório da fundação.

Os responsáveis da FBA consideram que este é um sector de visitantes que tenderá a aumentar nos próximos anos. “Este desenvolvimento só se consegue, se houver por parte dos operadores turísticos e agências de “incoming” uma aposta na diferenciação”, refere João Mareco que sublinha ser necessário dar tempo ao visitante para conhecer o CIBA que, aliado a monumentos âncora, constitui “um fator de diversidade na oferta turística da região”.

(Notícia publicada na edição de 5 de setembro 2013)

Carlos S. Almeida
carlos.almeida@regiaodeleiria.pt