Select Page

Unidade de Cuidados Paliativos em Alcobaça deverá começar a funcionar em maio

“Calcula-se que o serviço responda anualmente a cerca de 200 doentes”, estima a administração​ Foto de arquivo: Joaquim Dâmaso

A primeira Unidade de Cuidados Paliativos do distrito de Leiria vai funcionar no Hospital de Alcobaça, num investimento de 600 mil euros para a instalação de 12 camas disponíveis a partir de maio.

“A obra já tem visto do Tribunal de Contas e vai ter início no próximo mês de novembro”, anunciou hoje o presidente do Conselho de Administração (CA) do Centro Hospitalar de Leiria (CHL), Licínio de Carvalho, onde se integra o Hospital Bernardino Lopes de Oliveira, em Alcobaça.

É nesta unidade que vai ser implantada a primeira Unidade de Cuidados Paliativos da área de influência do CHL, através da reconversão do antigo serviço de cirurgia geral para a instalação de 12 novas camas, distribuídas por dez quartos, que integrarão a Rede Nacional de Cuidados Paliativos.

“Todos os quartos dispõem de instalações sanitárias privativas adaptadas a mobilidade condicionada”, estando ainda previstos “espaços de trabalho destinados aos profissionais, banho assistido, copa do utente, instalações sanitárias para visitas e para profissionais, sala de tratamentos e zonas de sujos e limpos, refeitório e sala de convívio/atividades e respetivas instalações sanitárias associadas”, adiantou ao REGIÃO DE LEIRIA a administração hospital em junho, aquando do lançamento do concurso.

A intervenção terá um custo de cerca de 600 mil euros, cofinanciados em 85% pelo quadro comunitário Portugal 2020, informou o presidente do CA em Alcobaça, onde hoje assinou um protocolo de colaboração com o município.

A autarquia “vai colaborar com uma verba de 75 mil euros para a aquisição de equipamentos e mobiliário para o novo serviço”, disse o presidente da câmara de Alcobaça, Paulo Inácio.

Licínio de Carvalho afirmou que o novo serviço ficará pronto a funcionar “seis meses após o início da obra”, dando resposta aos cerca de 400 mil utentes da área da influência do CHL.

“Calcula-se que o serviço responda anualmente a cerca de 200 doentes, com internamentos médios superiores a um ano”, acrescentou o administrador do CHL, que dispõe desde janeiro de 2018 de uma equipa intra-hospitalar de suporte em cuidados paliativos e desde junho passado de uma equipa intra-hospitalar de suporte em cuidados paliativos pediátricos.

A obra insere-se num conjunto de investimentos que o CHL tem vindo a fazer no Hospital Bernardino Lopes de Oliveira desde a sua integração, em 2013, que totalizam atualmente 1,5 milhões de euros, verba que, após a conclusão da Unidade de Cuidados Paliativos, ultrapassará os dois milhões de euros.

O CHL é formado pelo Hospital de Santo André (em Leiria), o Hospital Bernardino Lopes de Oliveira (em Alcobaça) e o Hospital Distrital de Pombal e serve os concelhos de Batalha, Leiria, Marinha Grande, Porto de Mós, Nazaré, Pombal, Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pêra, Ansião, Alvaiázere, Ourém e parte dos concelhos de Alcobaça e Soure.

MR com Lusa

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo