Pedro Pimpão, autarca de Pombal, defende que o país adote uma estratégia nacional para a felicidade. O autarca lembra que Portugal ocupava, em 2019, o 66º posto no ranking mundial da felicidade e a ideia passa por melhorar essa posição. Para o presidente de Junta de Pombal, as juntas de freguesia devem ser os promotores das ações para a felicidade.

Isso mesmo defendeu numa moção que foi aprovada no último congresso da Associação Nacional de Freguesias, que decorreu dias 24 e 25 deste mês. Pedro Pimpão, primeiro subscritor da proposta que conta vários autarcas da região como subscritores, propõe “programas de intervenção comunitária à escala local que consolidem o papel das freguesias portuguesas na promoção da felicidade”.

A criação de redes inteligentes para a promoção da felicidade profissional, económica, social e cultural é apenas um dos pontos que integram a estratégia defendida pelo autarca. O desenvolvimento de “programas, ações e intervenções” que têm por base os conceitos de “felicidade relacional”, “felicidade comunitária” e de “felicidade climática e ambiental”, é outra das medidas que preconiza, a par com “a integração da pedagogia para a felicidade no seio do nosso sistema educativo”.

A promoção do desporto e da atividade física, de ações de “inclusão social dirigidas a grupos populacionais mais vulneráveis” e a implementação de “intervenções de comunicação de ciência para divulgar os mecanismos de bem-estar”, juntam-se à lista de iniciativas defendidas por Pedro Pimpão, antigo deputado na Assembleia da República e, atualmente, presidente de Junta de Pombal.

Um dos principais objetivos da moção apresentada em Portimão, passa por “assumir a felicidade e o bem-estar como uma prioridade na agenda política nacional”, aponta Pedro Pimpão.