Select Page

“Só se tem real dimensão do que aconteceu se estivermos lá”

Bruno Carnide partilhou esta sexta-feira, nas redes sociais, o microfilme “Outubro”. Ao longo de dois minutos e 40 segundos, o realizador leiriense revisita o incêndio de 2017, responsável pelo desaparecimento de mais de 80% das árvores do Pinhal de Leiria.

Levar as pessoas a ter “real dimensão do que aconteceu” foi um dos objetivos do trabalho. As opções estéticas e técnicas do realizador levaram, no entanto, o REGIÃO DE LEIRIA a querer saber mais.

Saiba o que moveu Bruno Carnide neste projeto que, entretanto, já foi selecionado para o Super9 Mobile Film Fest.

Como surgiu a ideia para esta curta?
Surgiu por acaso e naturalmente entre mim e a Cátia Biscaia. A nossa filha estava a dormir no carro, e para não a acordarmos, decidimos ir dar uma volta até S. Pedro, e ao fazer todo aquele caminho a ideia surgiu, e acabamos por ficar por ali a filmar de dentro do carro, e já não fomos a S. Pedro.

Que mensagem quer passar?
Mais do que os números gigantescos de hectares ardidos, penso que só se tem real dimensão do que aconteceu se estivermos lá, e como a maioria do mundo nunca verá essa dimensão, penso que falar das árvores poderá fazer as pessoas chegar mais perto da realidade. Tentei chegar a um número aproximado de árvores ardidas, mas foi complemente impossível, então optamos apenas por referir que foram milhões e milhões de árvores que simplesmente desapareceram. Na dimensão sonora tentei criar a imagem do que terá acontecido durante e após a tragédia, os sons que todas aquelas árvores terão ouvido.

Porque filmou com smartphone?
Foi uma ideia propositada. Uns dias antes, a Luísa Sequeira, directora do Super9 Mobile Film Fest, tinha-me desafiado a fazer um filme mobile. Na altura não lhe consegui dar uma resposta positiva, mas as circunstâncias acabaram por fazer acontecer, e entretanto também já recebemos a notícia de que o filme foi selecionado para o festival.

Que soluções técnicas e estéticas escolheu?
Filmar com o telemóvel tem muitas restrições e para evitarmos problemas, optamos por imagens fixas. Filmamos tudo à mão sem apoios ou tripés, para dar ainda assim uma sensação meio tremida à imagem. E no final aproveitamos a chuva para fazer uma metáfora com a própria câmara ou espectador que chora após a devastação. Depois tratei toda a imagem e fotografia de forma a que a sensação de solidão e abandono fosse o mais rapidamente percetível ao espectador, para assim a mensagem lhe chegar com maior impacto.

Pensa fazer mais algum trabalho sobre o Pinhal de Leiria?
Não gosto muito de me aproveitar das tragédias para fazer o meu trabalho, mesmo este micro filme surge mais de dois anos depois da tragédia e de uma forma quase involuntária ou por acaso. Não direi que não, mas não está nos meus planos.

Manuel Leiria
Jornalista
manuel.a.leiria@regiaodeleiria.pt

1 Comentário

  1. Elsa

    Vou lá várias vezes por ano. Onde antigamente se via verde a perder de vista, agora vêm se dunas completamente despidas. Os troncos das árvores estão empilhados para serem carregados em camiões. Um cenário de terror. Uma enorme revolta e grandes saudade daquela paisagem verde e fresca. Os culpados continuam impunes…

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

As autarquias deveriam aplicar coimas aos feirantes pelo lixo deixado no recinto dos mercados de rua?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo