Select Page

Associação de moldes desconhece “esquemas de baixas fraudulentas”

A Associação Nacional da Indústria de Moldes (Cefamol) desconhece a existência de “esquemas bem organizados” de baixas fraudulentas na região de Leiria, um problema denunciado esta quarta-feira, dia 12, pelo presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal. O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Vidreira (STIV) “não aceita as acusações de forma alguma”.

“Dá a ideia de que há situações já montadas, esquemas bem organizados, e lamento não conseguir fazer prova disto, pois não há apanhados em flagrante, mas relatam-me, principalmente na zona de Leiria, no sector dos moldes e do vidro, toda aquela região, um crescimento no número de baixas sem um rigoroso controlo”, afirmou à TSF o presidente da Confederação, António Saraiva.

Na sua perspetiva, “os problemas que conhece em concreto na região de Leiria podem existir no resto do país e já sinalizou a necessidade de um maior controlo e de uma pedagogia junto da classe médica, pois não pode haver laxismo na conceção de baixas”.

O secretário-geral da Cefamol, Manuel Oliveira, afirmou ao REGIÃO DE LEIRIA que “nenhuma das empresas contactadas esta tarde pela associação revelou ter este problema, nem o conhecem com esta dimensão e gravidade no sector”.

Até agora, a associação “não tem sido alertada pelas empresas de moldes para esta situação, pelo menos de uma forma tão abrangente e em tão larga escala”, reforçou Manuel Oliveira, adiantando que “certamente haverá sempre questões pontuais”.

O STIV, por seu lado, “não aceita de forma alguma as acusações feitas publicamente aos trabalhadores e aos médicos”, considerando que “o dr. António Saraiva e as administrações das empresas deveriam verificar, sim, por que é que nas secções onde o trabalho é intenso e repetitivo as baixas por doença profissional aumentaram”.

“Não foi por acordo entre trabalhadores e médicos, são os exames que comprovam a doença profissional, em grande maioria tendinites e, se forem trabalhadores do regime de turnos, o leque de doenças é muito mais abrangente”, disse ao REGIAO DE LEIRIA a dirigente do STIV, Etelvina Rosa, questionando se “com o baixo nível de salários, os trabalhadores têm as condições necessárias para viver quando estão a receber subsidio de doença”.

A TSF noticiou que “há seis anos que o número de beneficiários de subsídios de doença não pára de aumentar em Portugal, com os patrões a pedirem mais fiscalização à Segurança Social e mais atenção aos médicos, pois dizem que há indícios de práticas abusivas em baixas fraudulentas”

“Em 2019 a tendência de subida continuou, tendo-se registado mais 132 mil baixas do que em 2018, atingindo um total nunca visto desde que há registos (em 2001): 1,8 milhões de subsídios de doença num ano”, segundo os dados consultados e calculados pela rádio.

Carlos Ferreira
Jornalista
redacao@regiaodeleiria.pt

Secretário-geral da Cefamol afirmou ao REGIÃO DE LEIRIA que “nenhuma das empresas contactadas esta tarde pela associação revelou ter este problema​” Foto de arquivo

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

É possível acabar com as manifestações de racismo nos estádios de futebol?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo