O risco de incêndio deverá aumentar nos próximos dias na região, com sábado a revelar-se o dia com um risco mais elevado no distrito, variando entre o risco “máximo”, “muito elevado” e “elevado”, consoante o concelho em causa.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil alertou já para o risco de incêndio previsto para as próximas 48 horas, com a continuação de tempo quente e seco.

Para além do tempo quente e seco, destaque para a intensidade do vento. Para amanhã estão previstas, a partir da tarde, “rajadas até 65 km/h, podendo exceder 70 km/h nas serras de Sintra, Montejunto e Aire e Candeeiros, que vão persistir durante a noite de dia 24 para 25 e de dia 25 para 26”, adianta em comunicado.

No distrito, os concelhos mais afastados do litoral deverão atingir os mais elevados níveis de risco de incêndio nos próximos dias, de acordo com a informação avançada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Durante o dia de amanhã, serão já vários os concelhos do distrito com o nível “máximo” de risco de incêndio. No sábado, outros concelhos, no litoral, registam uma subida do nível de risco para “muito elevado”.

O risco de incêndio deverá a aumentar amanhã “para níveis Máximo ou Muito Elevado nas regiões do Norte, do Centro, vale do Tejo, Alto e Baixo Alentejo e Algarve e Elevado no restante território do continente”, alerta a Proteção Civil.

“Considerando a previsão meteorológica, esperam-se condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais em especial nas regiões do Centro e Sul do país”, aponta.

As autoridades recordam medidas preventivas e comportamentos que devem ser adotados, neste período crítico que se estende até final de setembro, visando prevenir a ocorrência de incêndios.

A proibição de queimadas ou o impedimento de utilizar fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural salvo se, usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados, para o efeito, são apenas algumas das medidas. A listagem completa pode ser conferida aqui.