O Comando Territorial da GNR de Leiria arrancou, em fevereiro de 2020, com a operação “Clean Water”, para fazer face a descargas ilegais nos rios Lis e Lena, e um novo método permitiu detetar seis crimes de poluição.

A operação efetuada através do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) da GNR de Leiria decorre de “sucessivas denúncias de alterações das características da bacia hidrográfica” dos rios.

A autoridade policial explica, em comunicado, que foi reforçado o patrulhamento dos recursos hídricos, com ações diárias e ininterruptas de monitorização das linhas de água nos concelhos de Leiria, Marinha Grande, Batalha e Porto de Mós.

A vegetação “muito densa” nas margens dos afluentes destes rios levou os militares da GNR a implementar um modelo de patrulhamento no interior dos rios , “o que levou a um aumento da eficácia na deteção de ilícitos”. O novo método teve ainda um efeito disuador.

A GNR fiscalizou 432 pessoas coletivas e individuais e registou 19 infrações por “más práticas relacionadas com a gestão de efluentes pecuários”, que deram origem a processos contraordenacionais, e seis crimes de poluição, o que corresponde a um aumento de 200% face a 2019, avança a mesma fonte.

A GNR identificou e fiscalizou todas as explorações agropecuárias existentes na região, ação que aconteceu “com base em denúncias e informações recolhidas”.

A operação “Clean Water” teve ainda como objetivo “fazer face às descargas diretas e indiretas de efluentes provenientes da indústria transformadora”, nomeadamente atividades agrícolas e pecuárias.