A Assembleia da República aprovou hoje, por unanimidade, um voto de pesar pela morte em serviço dos bombeiros Filipe Pedrosa e José Augusto Fernandes, concertado entre todos os partidos.

Associaram-se à homenagem todos os partidos com representação parlamentar, bem como as deputadas não inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

Voto de pesar foi aprovado por unanimidade Foto de arquivo

“O elevado número de incêndios que ocorre anualmente no nosso país expõe ao perigo as nossas e nossos bombeiros, o que se traduz demasiadas vezes em ferimentos ou mesmo na morte. Os soldados da paz são tantas vezes os heróis dos verões de incêndios”, destaca o voto hoje aprovado.

No texto, realça-se que os bombeiros “estão sempre na primeira linha do combate ao fogo, arriscando a sua integridade física e a própria vida em prol da comunidade”, pelo que “são um exemplo pela sua coragem”.

“Não os esquecemos, não os esqueceremos”, assegura a manifestação de pesar da Assembleia da República, que assinala igualmente que Portugal se encontra “na fase mais aguda dos incêndios rurais”.

O texto do voto recorda que Filipe Pedrosa morreu no sábado, enquanto participava em operação de rescaldo e vigilância para prevenção de reacendimento de um incêndio no distrito de Leiria.

“A trágica morte de Filipe Pedrosa, também filho de um bombeiro e reconhecido entre os seus pares como “um bombeiro excecional, sempre disponível a ajudar os outros”, pai há três dias, é a mais recente de uma série de infortúnios que têm acometido esta classe profissional”, aponta-se no texto.

À referida morte, acrescenta o voto, soma-se a do bombeiro José Augusto Fernandes de 55 anos de idade, a 11 de julho, em combate num fogo na serra da Lousã, “alguém que queria estar ‘sempre na frente, sempre a dar o seu melhor’, sendo sempre um exemplo para todos na corporação”.

“A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, manifesta o seu pesar pelo falecimento de Filipe André Azinheiro Pedrosa e José Augusto Dias Fernandes e transmite as suas condolências aos seus familiares, amigos, colegas de profissão e às corporações que integravam”, sublinham os deputados.