O problema arrasta-se “há mais de uma década” Foto: Gazeta das Caldas

Vários deputados do PSD questionaram no parlamento a ministra da Agricultura sobre o arranque das obras previstas na Barragem de Alvorinha, nas Caldas da Rainha, para as quais estão disponíveis 1,2 milhões de euros de fundos comunitários.

Num requerimento entregue na Assembleia da República, a que a agência Lusa teve hoje acesso, os deputados Hugo Oliveira, Margarida Balseiro Lopes, Pedro Roque, Olga Silvestre e João Gomes Marques questionaram “quando é expectável a execução da obra em questão”.

Os sociais-democratas quiseram também saber se “o financiamento poderá estar em causa se a empreitada não for lançada de forma célere”, assim como “quando será lançada a empreitada para reforço da cortina de impermeabilização”.

Os deputados recordaram que, em 2016, um ano depois da inauguração da infraestrutura, o Laboratório Nacional de Engenharia Civil determinou que a cota de enchimento da barragem teria um limite de 93 metros, o equivalente a 5% da capacidade total de armazenamento.

Para a resolução do problema, que se arrasta “há mais de uma década”, lembraram, em 2017 a Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo candidatou a obra ao Programa de Desenvolvimento Rural 2020, tendo sido aprovado um financiamento comunitário de 1,2 milhões de euros.

“Em 2020 continuamos à espera da concretização de uma obra essencial para a agricultura da região”, reiteraram.

Os sociais-democratas lembraram que seis milhões de euros foram investidos no projeto de aproveitamento hidroagrícola de Alvorninha, com um volume possível de armazenamento de 711 mil metros cúbicos de água, uma área inundada de 11,8 hectares, um escoamento até 823 mil metros cúbicos num ano e rede de rega para distribuir água por 127 hectares e beneficiar duas centenas de agricultores de Alvorninha, Vidais e Salir de Matos, freguesias de Caldas da Rainha, no distrito de Leiria.