Assinar Edições Digitais


Leiria

Federação do PS sai em defesa de Gonçalo Lopes e prognostica vitória em 2021

Walter Chicharro defende o trabalho de Gonçalo Lopes no dia em que o atual presidente da Câmara de Leiria é criticado pelo antecessor, Raul Castro.

“Tenho plena confiança que os Leirienses avaliam de forma muito positiva o trabalho de Gonçalo Lopes”

— Walter Chicharro, presidente da Federação Distrital de Leiria do PS

O presidente da Federação do PS no distrito de Leiria tornou hoje pública a certeza de que o atual presidente da Câmara de Leiria, Gonçalo Lopes, será candidato às próximas eleições e que vencerá as autárquicas de 2021.

“Tenho plena confiança que os Leirienses avaliam de forma muito positiva o trabalho de Gonçalo Lopes, que estou certo que será candidato e será vencedor das autárquicas de 2021 no concelho Leiria”, lê-se numa publicação de Walter Chicharro no Facebook da Federação Distrital de Leiria do PS.

Segundo o responsável distrital, “Leiria, com a governação de executivos PS ao longo dos últimos anos, está muito diferente para melhor”.

Para Walter Chicharro, que preside também à Câmara da Nazaré, “um dos maiores vetores desta transformação operada na capital do nosso distrito foi a mudança no panorama cultural que aumentou em muito a atratividade do concelho e da região”.

Gonçalo Lopes, que foi vice-presidente e vereador da cultura na liderança de Raul Castro, “e outros pelouros por 10 anos”, teve “um papel determinante neste caminho”.

Atualmente, como presidente da Câmara Municipal de Leiria após a saída de Castro para ocupar o lugar de deputado por Leiria na Assembleia da República, Gonçalo Lopes “tem-se destacado com um excelente trabalho estrutural no concelho e com uma grande resposta à pandemia, tomando todas as medidas para proteger a população do seu concelho”, defende Walter Chicharro.

A tomada de posição do líder da Federação do PS acontece no dia em que o REGIÃO DE LEIRIA publica uma entrevista a Raul Castro em que o anterior presidente da Câmara de Leiria dá nota negativa ao sucessor.

Castro aponta falhas ao seu sucessor, lamenta o abandono de projetos como o Pavilhão Multiusos e a intervenção na avenida Heróis de Angola e acusa Gonçalo Lopes de “exercícios inadequados de legitimação do poder”.