Assinar


Leiria

Politécnico de Leiria e GNR assinam protocolo em informática forense e cibersegurança

Comprometem-se a promover a partilha de informação científica e técnica nas áreas consideradas de interesse

O Politécnico de Leiria e a GNR assinaram um protocolo nas áreas da informática forense e cibersegurança, para o “aproveitamento recíproco das potencialidades científicas, técnicas e humanas das duas partes”.

“A cooperação reconhece a importância da aproximação do conhecimento científico do ensino superior a uma entidade responsável por zelar pela segurança da população”, refere uma nota de imprensa divulgada esta sexta-feira, dia 8, pelo Politécnico de Leiria.

Segundo o estabelecimento de ensino superior, “a parceria resulta de várias diligências efetuadas com a GNR por forma a alargar a cooperação na área da informática forense, e que incluíram uma visita ao LabCIF – Laboratório de Cibersegurança e Informática Forense da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Politécnico de Leiria, culminando na celebração de um protocolo com esta força de segurança”.

“No âmbito deste protocolo, o Politécnico de Leiria e a GNR comprometem-se a promover a partilha de informação científica e técnica nas áreas consideradas de interesse para ambas as partes, nomeadamente na informática forense, cibersegurança, engenharia ambiental, ou outras, bem como a participar e promover conjuntamente atividades de caráter técnico-científico e de investigação, e a colaborar na realização de estágios e projetos finais de curso”, adianta.

O acordo agora estabelecido “prevê ainda a promoção conjunta de seminários, ‘workshops’ e outras iniciativas públicas, e a cooperação em cursos de especialização, de pós-graduação ou outros, visando uma aproximação entre comunidade científica e o conhecimento técnico”.

Citado na nota de imprensa, o presidente do Politécnico de Leiria, Rui Pedrosa, considera que “este é mais um marco importante no reconhecimento da capacidade de formação, de investigação e da prestação de serviços com impacto” do instituto, “neste caso pelo reconhecimento da GNR”.

Para Rui Pedrosa, trata-se de “um parceiro importante para o Politécnico de Leiria em múltiplas áreas, mas, neste caso particular, para a colaboração na área da informática forense e da cibersegurança”.

O comandante do Comando Territorial de Leiria da GNR, coronel Manuel Carlos Afonso, que com o presidente do Politécnico de Leiria assinou na quarta-feira, dia 6, o protocolo, considerou a iniciativa de “extrema importância”.

O coronel, que cessa funções esta sexta-feira como comandante territorial de Leiria, destacou a importância de a Guarda “também poder contribuir” nas áreas contempladas no protocolo com o Politécnico de Leiria e, “da mesma forma, receber todo o apoio e conhecimento nestas temáticas por parte do instituto”.

O comandante Manuel Carlos Afonso salientou, por outro lado, que o protocolo permite à GNR receber alunos do Politécnico em estágio naquelas áreas.

“O ‘modus operandi’ dos criminosos na área informática e digital é cada vez maior e faz com que a Guarda acompanhe esta evolução, dispondo de mecanismos próprios para fazer face a este tipo de investigação”, adiantou.

O coronel, que na segunda-feira assume as funções de comandante territorial do Porto, reconheceu ainda que a informática forense e a cibersegurança é “uma das aéreas de investigação em constante desenvolvimento e melhoria”.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.