Assinar
Pombal

Politécnico de Leiria e agrupamento de escolas de Pombal unem esforços para melhorar acessibilidades

Num segundo momento, também a cidade de Pombal estará na mira dos especialistas nesta área

Responsáveis do Politécnico de Leiria, da Câmara de Pombal e do Agrupamento de Escolas Gualdim Pais

Primeiro avança o diagnóstico nas escolas do Agrupamento de Escolas Gualdim Pais, em Pombal. Depois será feita a avaliação das “acessibilidades físicas e comunicacionais”  da cidade, sede de concelho.

Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS) do Politécnico de Leiria e o Agrupamento de Escolas Gualdim Pais, em Pombal, celebraram um protocolo de colaboração, na última segunda-feira, dia 10. Objetivo? Melhorar as condições de acessibilidade no agrupamento.  Num segundo momento, também a cidade de Pombal estará na mira dos especialistas nesta área.

Esta parceria entre a ESECS e aquele agrupamento de escolas do concelho de Pombal, “vai permitir o desenvolvimento de um trabalho conjunto entre o Centro de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC), sediado neste Agrupamento, e o Centro de Recursos para a Inclusão Digital (CRID) do Politécnico de Leiria”, revelou o politécnico da cidade do Lis em comunicado divulgado esta tarde.

Numa primeira fase, explica a instituição de ensino superior, pretende-se “efetuar o diagnóstico da escola sede do Agrupamento e, no futuro, melhorar igualmente as acessibilidades da cidade de Pombal”.

Com este protocolo, aposta-se na “avaliação de respostas mais adequadas às pessoas com deficiência ao nível da comunidade educativa e da sociedade”.

“Através desta parceria pretende-se contribuir para a eliminação das barreiras atitudinais que são, ainda, as mais comuns na sociedade e as mais complexas. Esta dimensão da acessibilidade merece uma especial atenção, pois a sociedade deve ter atitudes acessíveis, que são tão essenciais como a acessibilidade física”, explica Célia Sousa, coordenadora do CRID.

Por não se saber o que fazer diante de uma situação nova, salienta ainda Célia Sousa, “adotam-se comportamentos que demonstram a não compreensão das dificuldades e limitações do outro ou são desenvolvidas ações que não favorecem a inclusão e a equidade”. Neste sentido, reforça, “é junto das crianças e jovens que se deve intervir desde cedo”.

O protocolo de colaboração foi assinado por Pedro Morouço, diretor da ESECS, e Sara Rocha, diretora do Agrupamento de Escolas Gualdim Pais, contando com a presença do presidente da Câmara Municipal de Pombal, Pedro Pimpão, adianta a nota de imprensa do Politécnico de Leiria.

A realização de colóquios, seminários e outras ações da mesma natureza, estágios curriculares, científicos e técnicos, e o intercâmbio de informação técnica e científica, são outros dos âmbitos desta colaboração.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados