Assinar
Sociedade

Equipas de Intervenção Permanente reforçam dispositivo de combate a incêndios

Desde o dia 1 de junho que estão mobilizados 558 elementos no distrito de Leiria. Equipas aumentam para 637 elementos entre julho e setembro.

veículo e operacionais da proteção civil
Foto de arquivo / Joaquim Dâmaso

Há mais homens, equipamentos e uma aposta grande na prevenção, e no combate dos incêndios numa fase precoce.

Segundo Carlos Guerra, comandante distrital de operações de socorro, estão no mês de junho mobilizados 558 elementos em todo o distrito de Leiria. O número, explicou, aumenta para 637 elementos entre 1 de julho e 30 de setembro, período avaliado como de nível IV, “a fase mais musculada” e considerada como mais crítica no combate aos incêndios rurais.

Os dados foram revelados segunda-feira, na apresentação do Plano Operacional Distrital no âmbito do DECIR (Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais) de 2022 para o distrito.

O “dispositivo é muito semelhante ao de anos anteriores” e o aumento, em termos humanos, resulta sobretudo “por força da constituição das Equipas de Intervenção Permanente (EIP)”. No distrito de Leiria estão constituídas 39 EIP e outras seis aguardam validação. O mesmo é dizer que há 195 bombeiros e 39 veículos que formam estas equipas e que estão disponíveis para ajudar no combate ao incêndio.

“O grande objetivo é o ataque inicial, é debelar os incêndios na sua fase mais nascente, o mais precoce possível”, disse Carlos Guerra, realçando que todos os operacionais devem “combater com rapidez e segurança”, tendo como missão a segurança das populações e dos operacionais, em primeiro lugar, e depois do meio ambiente.

Além dos 637 elementos, o Plano prevê ainda a utilização de três helicópteros, localizados em Pombal, Porto de Mós e Figueiró dos Vinhos, e o recurso a torres de vigia, que cobrem quase todo o território do distrito, quer por meios instalados, quer por torres móveis ou drones, duas das novidades do Plano de 2022.

O comandante alertou ainda que, segundo dados da GNR, “cerca de 65% dos incêndios têm causa humana, negligente ou dolosa” e que as queimas e queimadas representam 30 a 35% dos incêndios rurais.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados