Assinar
Cultura

Cistermúsica com mais de 7.500 espectadores e impacto direto superior a 20 mil euros

Festival de música fechou a 30ª edição com casa cheia. No balanço final, Alcobaça assume-se como “uma capital da música durante o verão”.

Muitas lotações esgotadas marcaram a história desta edição do festival de Alcobaça - que se estendeu de Évora a Arouca CISTERMÚSICA

A 30ª edição do Cistermúsica terminou em apoteose no sábado, com mais de 400 pessoas a esgotarem os lugares na Cerca do Mosteiro de Alcobaça para ouvir alguns dos mais famosos temas da historia dos musicais, interpretados pela Banda Sinfónica de Alcobaça e cantados por Sofia Escobar.

A cada ano o festival de música de Alcobaça cresce e chega mais longe e em 2022 voltou a ser assim, como provam os números divulgados pela organização, num balanço final de “uma das edições mais especiais”, em que foram homenageados Alexandre Delgado – diretor artístico do festival entre 2002 e 2019 – e foi prestado tributo a António Victorino d’Almeida.

André Cunha Leal, que reparte com Rui Morais a direção artística do Cistermúsica, realça em comunicado que o festival “é uma das realidades mais bem conseguidas no panorama dos festivais em Portugal”, tendo este ano atravessado, ao longo de 43 concertos, “a música erudita – que é o epicentro do festival”, mas “também o jazz, a música do mundo, o mundo dos musicais, temos aqui um pouco de tudo… e isto significa que o Cistermúsica se afirma como o festival a ter em conta em Portugal e que torna Alcobaça numa capital da música durante o verão”, conclui o diretor artístico.

Ao longo de 38 dias, o Cistermúsica acolheu um total de 58 agrupamentos (de Portugal, Alemanha, Suíça, Espanha, Polónia, Coreia do Sul e Estados Unidos da América), formados por 846 intérpretes. Ao longo do festival houve os citados 43 espetáculos, presenciados por 7662 espetadores, “duplicando a assistência registada em 2021”, salienta a organização. No concelho de Alcobaça realizaram-se 36 concertos, mas o festival estendeu-se de Évora a Arouca, passando por Porto de Mós, Marinha Grande, Odivelas e Lisboa.

Em comunicado, a direção do Cistermúsica acrescenta uma estimativa em que aponta que esta 30ª edição tenha provocado na economia local “um impacto direto superior a 20.000 euros”.

Em 2023, o Cistermúsica regressa em julho, estando já a ser desenhada a programação, que será dedicada à “Música no feminino” e aos 150 anos do nascimento de Sergei Rachmaninoff.

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados