Assinar
Cultura Exclusivo

Mário Lopes está no outro lado do mundo a criar obras inspiradas nos antípodas

O escultor natural de Leiria participa na bienal de Te Kupenga, na Nova Zelândia, onde já deu forma a duas peças. Até meados de fevereiro parte à descoberta de “um país muito apetecível”.

No outro lado do planeta nasceu “Antípodes”, que representa simultaneamente o que separa e o que liga Portugal e a Nova Zelândia. Nos antípodas da mesma pedra, o Mário esculpiu duas paisagens que são das marcas mais características do seu trabalho Tania Nicholls

É do outro lado do mundo que Mário Lopes nos fala, com 13 horas de “vantagem”: “Isto não é o fim do mundo; pelo contrário, é o início!”. Afinal, todos os dias o sol nasce ali perto e por isso o simbolismo de estar nos antípodas de Portugal é ainda mais incontornável nesta enésima internacionalização do escultor nascido em Leiria.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.