burla qualificada

Ministério Público admite não haver fundamentos para julgar arguidos do caso GPS por peculato

Sem o crime de peculato, os administradores dos colégios GPS em julgamento são acusados de burla qualificada e falsificação de documentos.

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.