Assinar Edições Digitais
Cultura

A Fnac quer a cultura de mão dada com a população de Leiria

Por ela, muitos suspiravam em Leiria. A partir de hoje, quarta-feira, ela aí está, a Fnac Leiria: 1.800 metros quadrados distribuídos por dois pisos do LeiriaShopping, 80 funcionários e milhares de livros, discos e DVD convivendo com um mundo de tecnologia e informática.

Por ela, muitos suspiravam em Leiria. A partir de hoje, quarta-feira, ela aí está, a Fnac Leiria: 1.800 metros quadrados distribuídos por dois pisos do LeiriaShopping, 80 funcionários e milhares de livros, discos e DVD convivendo com um mundo de tecnologia e informática.

A 17ª loja Fnac em Portugal chega a Leiria para vender muito e com outro propósito: lançar um novo olhar sobre a cultura da cidade e da região.

Se aconteceu noutros locais, porque não em Leiria? “A Fnac é um palco para todos os artistas e criadores, uma oportunidade para se expressarem e encontrarem o público. Ou até de descobrir o que é a cultura de Leiria”, diz Viriato Filipe, director de marketing e comunicação cultural e institucional da cadeia.

Mas qual é a cultura de Leiria? A Fnac reuniu nos últimos meses com agentes culturais da cidade, para perceber “se o que vamos oferecer é redundante ou complementar”. Viriato Filipe oferece o seu olhar pessoal, “externo e portanto neutro” sobre o panorama: “Em Leiria há várias culturas. E uma margem muito grande de crescimento e especialização. Há nichos, muitas pessoas que gostam de uma área específica (teatro, um estilo de música…) e fazem disso o seu nicho elitista”.

A “investigação” levou-o a descobrir em Leiria “coisas fantásticas em muitas áreas”, do design à performance, mas também “um desequilíbrio entre oferta e procura”, que se traduz na “dificuldade de digestão do que é proposto. Os canais de comunicação estão por criar”. E a Fnac “pode ser esse canal”, propondo-se ser plataforma que “interligue localmente agentes e conteúdos”. “Essa efervescência cultural só pode ser benéfica para todos”, sublinha.

O Fórum Cultural promoverá a cultura local, mas também os nomes que habitualmente recheiam a agenda Fnac. Este mês, por exemplo, passam por Leiria The Legendary Tigerman, valter hugo mãe, Deolinda, Tiago Bettencourt, Richard Zimmler, entre outros.

O espaço tem capacidade para receber 60 a 70 pessoas de pé num concerto. Mas também vai haver projecção de filmes, em ciclos ou extensões de festivais, apresentações, debates e tertúlias.

Dentro de um ano, que balanço gostaria de fazer a Fnac de Leiria? Viriato Filipe aceita o desafio: “Que a cultura (com ‘c’ pequeno e não grande) possa ser banalizada e que ande de mão dada com todos os agentes e a população de Leiria e arredores”.

Números da Fnac Leiria

Pisos: 2
Área: 1.800 metros quadrados
Funcionários: 80
Discos: 19.000 referências  (60.000 unidades)
Filmes: 4.000 referências (15.000 unidades)
Livros: 20.000 referências (50.000 unidades)
Consolas, jogos e software: 1.000 referências (5.000 unidades)
Som e imagem: 1.700 referências
Informática: 2.200 referências

(versão integral do texto no REGIÃO DE LEIRIA de 14 de Maio de 2010)