Assinar
Sociedade

IGESPAR “decide” se Capela das Chãs é para demolir

A Assembleia Municipal de Leiria decidiu aguardar pela avaliação do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) para responder à pergunta que paira no concelho há largos meses: a Capela das Chãs pode ou não ser demolida?

A Assembleia Municipal de Leiria decidiu aguardar pela avaliação do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) para responder à pergunta que paira no concelho há largos meses: a Capela das Chãs pode ou não ser demolida?

O deputado municipal do PCP, Carlos Guerra, propôs a revogação da deliberação da autarquia que autoriza a demolição da Capela de Nossa Senhora das Necessidades, em Chãs, Regueira de Pontes. Uma deliberação que se encontra suspensa, depois de várias vozes se terem levantado a favor da preservação daquele local e culto.

O presidente da Junta de Freguesia de Regueira de Pontes assumiu a defesa dos anseios da população “que não quer a velha igreja”, pela qual não nutre “qualquer afectividade” e que considera “ser um mono e um estorvo”.

Na hora da votação, pesou a sugestão apresentada por José Manuel Silva. O deputado socialista lembrou que o pedido para classificação da Capela foi feito ao IGESPAR e que mais vale agora esperar que os seus técnicos se pronunciem sobre a importância patrimonial daquele local de culto.

A verdade é que muito dificilmente haverá uma decisão atempada por parte daquele organismo, adivinhou na sua intervenção o social-democrata e ex-vereador da Cultura Vítor Lourenço, lembrando casos que se arrastam há anos sem conhecerem qualquer decisão, dando o exemplo do caso do Vale do Lapedo.

Conclusão: a Capela vai continuar de pé e a demolição fica para já dependente de uma decisão do IGESPAR.

João Carreira
joao.carreira@regiaodeleiria.pot

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar