Assinar Edições Digitais
Atletismo

“Para ir à final tinha de fazer o recorde pessoal” diz Vânia Silva

Vânia Silva falhou a qualificação para a final do lançamento do martelo nos Mundiais de atletismo e considerou que o apuramento “era muito complicado”.

A atleta Vânia Silva, que hoje falhou a qualificação para a final do lançamento do martelo nos Mundiais de atletismo, em Daegu, considerou que o apuramento “era muito complicado” e disse estar “bastante satisfeita” com o seu desempenho.

“Claro que há sonhos, mas eu sabia que era complicado ir à final. Para o apuramento tinha de fazer o meu recorde pessoal (69,55 metros) aqui, ou seja, tinha de lançar 68,90”, disse a atleta.

Vânia Silva, de 31 anos, reforçou que entrou bem na prova, ao fazer um lançamento inicial de 64,46 e um segundo melhor de 65,40.

“O último lançamento (64,18) é que não foi tão bom, mas, ao fazer 65,40, estou bastante satisfeita”, afirmou, “muito satisfeita” pelo facto de ter estado acima das marcas já feitas nas competições internacionais, cujo máximo era 63,82 metros.

A lançadora do martelo, que se classificou em 13.º na sua série e em 25.º no conjunto dos dois grupos que disputaram a qualificação, fez ainda referência às boas condições em que realizou a prova e ao apoio caloroso do público.

Para Vânia Silva, a prova decorreu “sem surpresas”, à exceção do lançamento de 74,17 metros da chinesa Zhang Wenxiu, que lhe valeu a melhor marca do dia.

No segundo e terceiro lugares ficaram, respetivamente, a cubana Yipsi Moreno, com 73,29 e a argentina Jenifer Dahlgren, com 72,70. A última apurada para a final foi a francesa Stéphanie Falzon, com um arremesso de 68,92.

Já a russa Tatyana Lysnko e a alemã Kathrin Klaas apuraram-se diretamente nas quarta e quinta posições, com as marcas de 71,94 e 71,69, enquanto a recordista mundial, a alemã Betty Heidler, que estabeleceu a melhor marca mundial do ano nos 79,42 metros, passou a eliminatória em 6.º lugar, com 71,48.

Lusa