Assinar Edições Digitais
Cantinho dos Bichos

Dê um destino feliz ao seu animal de estimação

Os dias do seu animal de estimação chegaram ao fim e quer dar-lhe um fim digno?

Os dias do seu animal de estimação chegaram ao fim e quer dar-lhe um fim digno?

A opção que está ao alcance de quem vive na região de Leiria é a incineração. Graças ao protocolo existente entre a Câmara de Leiria e o Centro de Recolha Oficial (CRO), pode solicitar a este órgão que se desloque até sua casa para fazer a recolha do animal, sendo que terá ­de pagar a quantia de 49,89 euros. Caso prefira deixar o animal nas instalações do CRO, o valor baixa para 12,30 euros.

Apesar da tristeza de ver partir o seu “bichinho”, tem a possibilidade de ficar com o que resta dele, guardando as cinzas.

Martha Barreto, do Centro Veterinário do Oeste, explica o procedimento: “Atualmente existe já um serviço de incineração individual, no qual os donos recebem em suas casas um certificado de incineração bem como as cinzas do próprio animal”.

Opte pela incineração e não por enterrar o corpo do animal. A Clínica Veterinária de Leiria deixa o alerta: “é proibido por lei enterrar cães e gatos”.

Por último, também já deve ter ouvido falar no cemitério de animais. De facto esta é outra opção. Existe no Jardim Zoológico de Lisboa mas na região, até ao momento, ainda nenhum foi construído.

Em qualquer dos casos, convém sempre informar-se junto das entidades responsáveis antes de tomar uma decisão.

E no que respeita aos animais mortos deixados na berma da estrada, na maioria, vítimas de atropelamento? Já se questionou acerca do que se deveria fazer nestes casos? A Câmara da Marinha Grande explica que sempre que seja encontrado um animal morto na via pública “tal facto deverá ser comunicado à respetiva Câmara que promoverá, através dos serviços competentes, a sua recolha e encaminhamento adequado”.

A Clínica Veterinária de Leiria acrescenta que “as diferentes autarquias dispõem de arcas congeladoras para guardar os cadáveres e posterior encaminhamento para incineração”.