Assinar
Cultura

Artma mantém tradição do restauro em Leiria

Oficina de Leiria que recuperou o caixão do Marquês de Pombal procura novas oportunidades no mundo da arte sacra.

O que liga a secretária do poeta Afonso Lopes Vieira na Biblioteca Municipal de Leiria a um dos quadros do Museu Malhoa em Caldas da Rainha? Ambas as peças ganharam nova alma na oficina Artma, responsável por um historial de restauros que inclui o caixão do Marquês de Pombal, a capela do cemitério da Marinha Grande e os espólios do Museu Escolar de Marrazes e do Agromuseu Dona Julinha.

Ana Cláudia Jorge lidera a empresa há 20 anos

É assim desde há 20 anos, entre a conservação e a recuperação, a reutilização e a transformação. Mobiliário que recebe vida extra na função original, ao lado de roupeiros que se tornam livreiros e arcas renascidas como mesas. Tudo sob o olhar atento da empresária Ana Cláudia Jorge, que lidera a oficina e o processo de intervenção.

A filosofia da Artma – localizada em Leiria, na zona da Estação – bebe no respeito pelo valor sentimental das peças, no conhecimento histórico acumulado.

São justamente aqueles com “uma cultura familiar de valorização do património” os principais clientes da empresa, diz o sócio Vítor Jorge.

Depois, num mundo em rápida mudança, as oportunidades para um negócio que vive do passado descobrem-se, por exemplo, no restauro de arte sacra.

Na Artma decorrem atualmente trabalhos em torno de 20 imagens do século XVI pertencentes a uma capela de um solar nortenho. E é assim que se mantém a tradição.

(leia a notícia na íntegra na página 24 da edição de 1 de junho de 2012)

Cláudio Garcia
claudio.garcia@regiaodeleiria.pt

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.