Assinar Edições Digitais
Desporto

Lista de credores da União de Leiria SAD totaliza 13,5 milhões de euros

São 107 os credores. Além dos jogadores, fazem parte da lista treinadores, médicos, advogados, empresas de jardinagem, clubes, empresários e o Estado português. João Bartolomeu é o segundo maior credor.

Só a lista de jogadores que integra a Lista Provisória de Créditos relativa ao processo da insolvência da União de Leiria SAD dá para formar mais de duas equipas de futebol. São mais de 25 os atletas que reclamam salários, prémios de subida de divisão e subsídios de alojamento, pela sua passagem no clube.No total, são 107 os credores que constam do documento a que o REGIÃO DE LEIRIA teve acesso. Além dos jogadores, fazem parte da lista treinadores, médicos, advogados, instituições bancárias, empresas de jardinagem, clubes, empresários de jogadores e o Estado português – o maior credor.

O valor em dívida corresponde a 13.507.891,54 euros, dos quais 24,18% (3.265.752,63 euros) são reclamados pelo Estado por IRS e IVA em atraso e respetivos juros. Seguem-se Materlis, com 1.475 milhões de euros, e B-Investimentos, com 1.356 milhões de euros, empresas de João Bartolomeu, que a título individual pede o pagamento de 300 mil euros relativos a um empréstimo. Somada a percentagem, o ex-administrador da SAD tem 23,19% do total de votos, ou seja, a segunda maior fatia no conjunto de credores.

Contudo, depois de constituída a assembleia de credores, as prioridades no pagamento, de acordo com o estabelecido entre o administrador de insolvência e a comissão de credores, não seguem a ordem de grandeza da dívida. Em primeiro lugar deverá estar o Estado, seguindo-se os funcionários, jogadores e treinadores da SAD. No último caso são, pelo menos, nove os técnicos que desejam ver as contas saldadas: Dominguez, Oceano, Cajuda, Márcio de Jesus, Pedro Caixinha, Óscar Tojo, Vítor Pontes, Fernando Morgado e Vasco Évora.

Recorde-se que o pedido de insolvência da União de Leiria SAD avançou em março, no tribunal de Leiria, através da empresa Fátima Expresso a exigir o pagamento de 162 mil euros.

Marina Guerra
marina.guerra@regiaodeleiria.pt