Assinar
Sociedade

Câmara de Porto de Mós em tribunal por causa de obra que o PNSAC aprovou

O município de Porto de Mós está a ser alvo de um processo no Tribunal Administrativo e Fiscal de Leiria, por causa de um lapso do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC). “Esta é a situação mais caricata que vi até hoje”, desabafa o presidente da câmara.

“Esta é a situação mais caricata que vi até hoje”, desabafa João Salgueiro, presidente da Câmara de Porto de Mós, referindo-se ao processo que opõe o município que lidera ao ICNB (Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade).

De acordo com o autarca, o município está a ser alvo de um processo no Tribunal Administrativo e Fiscal de Leiria, por causa de um lapso do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC). A explicação foi dada pelo presidente da Câmara de Porto de Mós aos deputados municipais na sexta-feira, dia 28. O caso remonta a 2007, quando o Clube Desportivo de São Bento avançou com a construção de balneários.

“O processo tem o parecer favorável do PNSAC”, refere. Contudo, explica ainda, o ICNB, na sua argumentação em tribunal, apesar de reconhecer que foi emitido parecer favorável por parte do PNSAC, sustenta que foi um “lapso, pelo que o parecer deveria ter sido desfavorável e a Câmara deveria ter indeferido o processo”.

João Salgueiro adianta estar convencido de que o processo, que sustenta que o licenciamento camarário em causa deve ser considerado nulo, será arquivado. Mas lamenta os transtornos que este caso acarreta. “É uma situação disparatada”, refere.

De resto, adiantou, esta não é uma situação inédita. “Temos alguns exemplos de embargos que surgiram depois de terem sido dados pareceres favoráveis”. Lembra o caso da Quinta Pedagógica de Alvados que, licenciada e já numa fase avançada de concretização do projeto e com apoios comunitários aprovados, foi embargada.

“Pediram-me, por telefone, para embargar e não aceitei”, recorda, adiantando que a autarquia chegou a ser alvo de inspeções que revelaram que o município não cometeu qualquer irregularidade neste caso.

(Notícia publicada na edição de 4 de outubro de 2012)

Carlos S. Almeida
carlos.almeida@regiaodeleiria.pt

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.