O relatório de uma das cinco auditorias realizadas nos colégios do grupo GPS já seguiu para a Autoridade para as Condições do Trabalho. O Ministério da Educação terá confirmado no terreno algumas das ilegalidades denunciadas por professores e sindicatos da rede de escolas, com sede no Louriçal, Pombal.

Instituto D. João V

A administração do grupo GPS (rede que integra, entre outros colégios da região, o Instituto D. João V) é acusada de desrespeitar os direitos dos professores, obrigando-os a trabalhar mais horas do que as estipuladas por lei e a realizar tarefas que não fazem parte das suas funções.

Em dezembro, numa reportagem emitida pela TVI, alguns docentes denunciavam o clima de medo que se vive dentro dos colégios da rede.

“Tentaram obrigar os professores a subscrever um documento que os comprometia a ter um horário não previsto no contrato coletivo de trabalho”, confirmou ao REGIÃO DE LEIRIA, na altura, o vice-presidente do Sindicato dos Professores da Zona Centro, Jorge Santos.

Em dezembro, quando confrontada pelo REGIÃO DE LEIRIA, a direção do GPS negou todas as acusações, afirmando tratar-se de informação deturpada.

Leia a notícia na íntegra na edição de 31 de janeiro de 2013. Pode adquirir o jornal online aqui.

SMF

Esta notícia foi alvo de um direito de resposta por parte do Conselho de Administração do Grupo GPS – Educação e Formação. Para o ler clique aqui.