Select Page

Mãe e filho encontram ovos de tubarão na praia da Polvoeira

Mãe e filho encontram ovos de tubarão na praia da Polvoeira

No início de agosto, numa manhã de maré baixa, Mónica Vicente e Vicente Pragosa faziam a sua habitual pesca ao polvo na praia da Polvoeira, concelho de Alcobaça. Com as rochas a descoberto, acabaram por encontrar, presas aos mexilhões, “bolsas de sereia” designação comum para ovos de tubarão.

A descoberta surpreendeu-os. Inicialmente, não reconheceram do que se tratava, mas no dia seguinte, durante uma visita ao Oceanário de Lisboa – programa que todos os anos fazem questão de incluir nas férias – viram ovos de tubarão e associaram ao achado do dia anterior.

Mãe e filho, de 6 anos, têm um interesse particular pela fauna e pela flora e gostam de se envolver em “pesquisas”, diz Mónica Vicente ao REGIÃO DE LEIRIA. Dois dias depois, regressaram à Polvoeira na esperança de voltar a ver as “bolsas de sereia” e, desta vez, encontraram três: duas da mesma espécie e uma terceira de outra espécie já seca na areia. Mãe e filho acreditam que os ovos teriam dois a três meses.

Intrigados com a descoberta contactaram o ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e foi-lhes pedido que enviassem imagens. Pouco tempo depois veio a confirmação: “são ovos de tubarão, embora não seja possível dizer a que espécie(s) pertencem”.

Na resposta enviada a Mónica Vicente, Paulo Carmo, técnico do ICNF, acrescentava que “existem várias espécies de tubarões nas nossas águas costeiras e oceânicas e os ovos são com frequência arrastados para as praias”.

Ao procurarem mais informação, mãe e filho ficaram a saber, entretanto, que os tubarões ovíparos após a fecundação depositam os seus ovos nas zonas rochosas, com o intuito de ficarem a salvo de predadores. “Estas bolsas de sereia servem para proteger o embrião e têm umas membranas filamentosas compridas que permitem que a bolsa esteja presa e não ande à deriva no oceano. Dentro da bolsa de sereia o embrião alimenta-se de uma reserva de nutrientes que se chama vitelo, transformando-se em tubarão até atingir o tamanho adequado para sair da bolsa de sereia. Quando o tubarão sai, é feita a seleção natural por canibalismo. As crias mais fortes comem as crias menos desenvolvidas, que vão seguir o ciclo da vida”.

O REGIÃO DE LEIRIA contactou também o ICNF com o intuito de saber mais pormenores sobre esta descoberta, mas não obteve resposta.

Mónica Vicente e o filho, Vicente Pragosa, de 6 anos, descobriram no início de agosto, na praia da Polvoeira, ovos de tubarão, mais conhecidos como “bolsas de sereia”

Patrícia Duarte
Jornalista
patricia.duarte@regiaodeleiria.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A programação da Capital Europeia da Cultura deve ou não incluir espetáculos tauromáquicos?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This