Select Page

Mapril Baptista, “rei” das ambulâncias

Mapril Baptista, “rei” das ambulâncias

Carlos Ferreira

Jornalista

redacao@regiaodeleiria.pt

Mapril Baptista saiu do Bombarral para França com seis anos. Aos 10 já ganhava dinheiro e passados oito, como motorista de ambulâncias, começou a construir um grupo empresarial que hoje é responsável por uma quota de 56% do mercado francês. É um exemplo como empresário e promotor de ações de responsabilidade social, como aconteceu com as vítimas dos fogos.

Nasceu em Casal Novo, no Bombarral. Chegou a França com seis anos e aos 12 anos já trabalhava?
O meu pai era agricultor e a minha mãe doméstica. Fomos para França e tive o privilégio, ao contrário de muitos emigrantes, de ir com passaporte e papéis. A ideia era ganhar dinheiro e eu comecei cedo. Aos 10 anos ia para os mercados vender livros e, como falava francês, pouco depois e durante dois anos, encarreguei-me de ajudar emigrantes portugueses a legalizarem-se. Preenchia-lhes os papéis para tratarem da Carte de Séjour e davam-me dinheiro. Também ajudei muitos a tirar os passaportes no consulado português e ganhei dinheiro.

Nunca viveu nos bairros de lata?
O meu pai é que viveu num bairro de lata. Eu fui diretamente para uma casa, até melhor do que a que tínhamos em Portugal, do patrão do meu pai, onde vivemos uns cinco anos. E daí fomos para o bairro de Montefermeil, nos arredores de Paris.

E começou a trabalhar?
Comecei a vender fruta num mercado, simpatizei com uns polícias e quis ser polícia. Não foi possível porque não tinha nacionalidade francesa e a ideia também não agradava ao meu pai. Pela mesma razão não pude ser bombeiro. Acabei por ser motorista de ambulâncias – entendia que me dava liberdade e responsabilidade, porque ajudava pessoas em dificuldade.

Quando conduziu a primeira ambulância como profissional?
Foi em 1974. Tinha 18 anos. Andei na escola até aos 16 anos. Antes trabalhei numa empresa a montar telefones e noutra firma como chefe de equipa de pedreiros.

Como é que de motorista passa a deter 17 empresas de ambulâncias?
Eu tinha uma mentalidade diferente. Era empreendedor. O meu objetivo, como dos emigrantes em geral, era ganhar dinheiro e apercebi-me rapidamente que como empregado nunca teria a vida que ambicionava.

Por isso, em pouco tempo, fez uma proposta ao seu patrão?
Ao fim de seis meses, quando já era socorrista, pedi aumento de ordenado. Mas o patrão disse-me que não tinha condições, eu compreendi, mas disse-lhe que se me deixasse orientar a firma poderia em breve duplicar-me o ordenado. Ele riu-se, mas ao fim de um mês pediu-me para lhe explicar a minha ideia. Tinha 18 anos e meio e em pouco tempo tripliquei o movimento. De tal maneira que fiquei a geri-la durante um ano e depois fui-me embora.

Foi então que abriu a firma Maprilanne?
Sim. Em 1978 conclui que não conseguia crescer a partir de uma única empresa. E pensei em constituir firmas de molde a cobrir diferentes regiões. E foi assim que cheguei às 17. A maior parte foi adquirida. Na altura tinha 22 anos.

E quando decidiu começar a fabricar as ambulâncias?
No início da década de 80 percebi que sempre que precisava de comprar uma ambulância tinha de esperar um ano. E também noteique não possuíam condições para os doentes. Por isso, decidi fabricar as ambulâncias com o maior conforto possível. Hoje quase todas as que circulam na Europa seguem as minhas regras de construção. Fui eu quem modificou os transportes de doentes em França e também em Portugal. No início da década de 90, uma empresa do Porto começou a fabricar ambulâncias para a minha frota, segundo o meu conceito e desenho, pensados para responder às necessidades dos doentes. Em 1999 perante o interesse dos meus concorrentes nas minhas viaturas comecei a vender e fundei a Les Dauphins [em 2000].

Em 2004 abriu a Capsud [que adapta as viaturas para ambulância] em Aveiro.
A procura e o facto do fornecedor ter falhado uma encomenda para dar prioridade à construção de 50 carros para a polícia portuguesa, por causa do Euro 2004, levou-me à criação da Capsud, em Aveiro porque na altura já era uma cidade com bom acessos à fronteira. Hoje, vendo em França, Bélgica, África e fabrico também em Espanha. Em Portugal vendi uma ou duas, a preço de custo. Não quero concorrer no mercado português.

Como carateriza a sua empresa nesta altura?
O nosso grupo emprega 150 pessoas, a maioria em Portugal (100). A empresa tem crescido anualmente entre 18 e 30% e há a possibilidade de manter estes resultados nos próximos anos devido às intenções de encomenda. Temos 90% do mercado na região de Paris e 56% a nível nacional em França. Estamos a entregar 120 ambulâncias por mês em França e no total temos 18 mil a circular. O importante para mim, no futuro, é manter a qualidade e respeitar os clientes, não é ter um grupo muito maior.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara Municipal da Marinha Grande deve comprar as piscinas de São Pedro de Moel?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This