Select Page

Milhares de pinheiros bravos foram hoje plantados no Pinhal de Leiria

O secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural considera que os portugueses estão empenhados na “guerra” contra os incêndios florestais e destacou a “ação cívica” de reflorestação do Pinhal de Leiria, hoje realizada.

“Esta é uma ação cívica importante de replantação do Pinhal do Rei e a tomada de consciência de que o problema da floresta é um problema de todos”, disse aos jornalistas Miguel Freitas, durante a iniciativa “O Pinhal é a Nossa Bandeira”, que hoje decorreu na Marinha Grande.

A iniciativa, promovida por entidades privadas em parceria com a autarquia da Marinha Grande, Exército, Força Aérea Portuguesa e Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e que contou ainda com a colaboração da GNR, PSP, Proteção Civil, Vigilantes da Natureza, bombeiros da Marinha Grande e Vieira de Leiria e praticantes de todo-o-terreno, num total de cerca de 300 operacionais, incidiu sobre o talhão 256 do Pinhal de Leiria, uma área de 30 hectares reflorestada com cerca de 67.500 pinheiros bravos.

Apesar da organização ter registado mais de cinco mil voluntários inscritos para a ação de reflorestação de hoje – número citado pelo secretário de Estado como um “sinal” de que os portugueses “estão a fazer essa guerra” contra os incêndios florestais – cerca das 11 horas o número de participantes não ultrapassava algumas centenas de pessoas.

“Estamos à espera dos voluntários, sabemos que há gente a chegar, uns vão chegando mais tarde, de qualquer maneira, o importante são aqueles que estão e que estão a plantar. Temos mais de metade do talhão plantado, esse é o objetivo”, afirmou Alexandra Serôdio, da organização do evento.

Alexandra Serôdio explicou que os promotores do evento e os voluntários que se associaram à plantação de hoje, “todos os que aceitaram esta missão e este desafio de virem ao domingo de manhã plantar estes 67.500 pinheiros”, irão ficar “responsáveis” pelo futuro do talhão 256 do Pinhal de Leiria e ajudar na sua manutenção.

“Vamos ter um controle neste talhão e vamos ajudar a limpar e a cuidar dele, todos nós portugueses”, sublinhou.

Uma das participantes na iniciativa, Ana Fonseca, dirigente escutista da Marinha Grande, que acompanhava um grupo de pequenos escuteiros, destacou a importância da iniciativa na educação ambiental das crianças: “Julgo que se o objetivo é prevenir e consciencializar as pessoas de que temos de proteger [o Pinhal de Leiria] todas as ações são importantes. Esta tem um objetivo bom, é plantar, é o que interessa”, argumentou.

Já Carla Carreira, que transportava um recipiente cheio de pequenos pinheiros que ia distribuindo pelos voluntários, destacou a importância das pequenas árvores para refazer o pinhal que existiu durante anos e que foi destruído quase na totalidade em outubro de 2017.

“Não consigo imaginar agora estes anos a passar por aqui e não ver os pinheiros altos, espero bem que os meus filhos e os filhos deles consigam ver o que eu vi ao longo destes anos todos”, afirmou.

Carla Carreira, que participou na iniciativa com os filhos e em representação do Clube de Atletismo da Marinha Grande, admitiu que ainda vai demorar “muito tempo” até que a mata nacional recupere do incêndio, mas “alguém tem de começar” a replantar e notou que as autoridades “só se preocupam depois das coisas terem acontecido”.

“É pena, vamos esperar que a mentalidade mude a partir de agora e que a gente consiga ver o nosso pinhal como tínhamos há uns anos”, frisou.

“O Pinhal é a Nossa Bandeira” culminou com a formação de uma bandeira nacional pelos participantes, que empunharam guarda-chuvas vermelhos, verdes e amarelos.

Lusa

Fotos: ANA Góis | Agency.com.pt 

 

Trackbacks / Pingbacks

  1. Seis meses sem o Pinhal do Rei - Naturalmente! - […] a 25 de março a iniciativa “O Pinhal é a nossa Bandeira” plantou 67.500 pinheiros no talhão 256. […]

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara Municipal da Marinha Grande deve comprar as piscinas de São Pedro de Moel?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This