Select Page

Investigação preliminar admite possível falha de motor da aeronave que caiu em Leiria

Do acidente resultou a morte de Manuel Santiago e Nelson Machado, empresários e ex-autarcas de Porto de Mós e Caldas da Rainha, respetivamente Foto: Joaquim Dâmaso

A queda da aeronave que caiu no domingo no Aeródromo do Falcão, em Gândara dos Olivais, Leiria, provocando duas mortes, poderá dever-se a uma falha do motor.

Numa nota informativa divulgada no seu site, o Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) diz não excluir “a possibilidade de o motor não estar a debitar potência no momento da colisão com o solo”.

As primeiras conclusões da investigação, ainda provisórias, dão ainda conta de que a aeronave ligeira, modelo Bristell UL, descolou do Aeródromo de Leiria, pelas 16h10 (15h10 UTC – Tempo Universal Coordenado), com dois pilotos a bordo para um voo local. O voo durou 45 minutos, com o registo do acidente às 16h56 (15h56 UTC).

“O voo terá decorrido com normalidade, com a realização de vários circuitos standard, aterragens/descolagens do tipo tocar e andar, incluindo simulação de falha de motor à vertical do aeródromo, com o objetivo de garantir ao piloto comandante, sentado à esquerda, a proficiência necessária na aeronave para mais tarde se sentir confortável para o voo a solo”, explica o GPIAAF.

“Segundo testemunhas, após cerca de 45 minutos de voo, a aeronave realiza uma passagem baixa na pista 02, sobe com um ângulo pronunciado e efetua uma volta de 180 graus pela esquerda, iniciando nova passagem baixa, desta vez na pista 20”, acrescenta a mesma nota.

A aeronave terá iniciado de seguida “nova subida pronunciada até cerca de 600 pés (cerca de 183 metros – estimados por testemunhas), com volta novamente à esquerda, iniciando uma descida não controlada com velocidade horizontal reduzida”.

O ultraleve viria a despenhar-se a 150 metros a noroeste da soleira da pista 02, “praticamente na horizontal, com um pequeno ângulo de nariz em baixo, estimado entre os 15 e os 20̊ (graus) e com velocidade horizontal praticamente nula”, incendiando-se de imediato, tendo o alerta sido dado via 112 por pessoas ao serviço do Aeroclube de Leiria.

As tentativas de socorro, com recurso a extintores portáteis, não conseguiram contudo impedir a destruição da aeronave e a propagação das chamas aos pinhal, tendo os dois ocupantes sofrido ferimentos fatais.

Morreram no acidente Manuel Santiago, de 67 anos, residente e sócio de uma empresa de cerâmica em Cumeira, freguesia do Juncal, no concelho de Porto de Mós, e Nelson Machado, de 41 anos, empresário do sector agrícola em Fanadia, ex-freguesia de S. Gregório, concelho de Caldas da Rainha.

Os dois “estavam devidamente autorizados e certificados para a condução do voo” e a aeronave “estava autorizada a voar de acordo com os regulamentos em vigor”, nota ainda o gabinete.

Durante o voo, os tripulantes mantiveram “as comunicações bilaterais estritamente necessárias com o serviço de informação de pista do Aeroclube de Leiria”, não tendo sido reportado qualquer problema ou limitação da tripulação ou aeronave.

Notificado às 17h17, o GPIAAF deslocou uma equipa de investigação de aviação civil para o local, tendo aberto um processo de investigação de segurança às causas do acidente.

A investigação, que visa identificar as causas do acidente “com vista à eventual emissão de recomendações para prevenção e melhoria da segurança da aviação civil”, é “independente e distinta de quaisquer processos judiciais ou administrativos que visem apurar culpas ou imputar responsabilidades”, sublinha ainda o gabinete, que deverá apresentar um relatório final no prazo de 12 meses.

MR

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Acredita que a modernização da ferrovia em Portugal é, de facto, uma prioridade para este Governo?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo