Select Page

DECO conclui que Linha do Oeste “não presta serviço público de qualidade”

A Associação de Defesa do Consumidor – DECO visitou a Linha do Oeste, onde detetou atrasos e supressão de comboios, e concluiu que “não está a ser prestado um serviço público de qualidade” neste serviço ferroviário (Sintra-Figueira da Foz).

“A Linha do Oeste continua sujeita a atrasos, cancelamentos e supressão de comboios, provocada pela falta de material circulante e falta de meios humanos”, refere a DECO na informação hoje divulgada.

Na sequência de várias queixas dos passageiros, a Associação de Defesa do Consumidor visitou estações e apeadeiros da Linha do Oeste e desenvolveu um estudo baseado nos problemas que detetou junto do serviço e dos passageiros.

Segundo a DECO, os “passageiros estão constantemente sujeitos à incerteza de haver ou não haver comboio”.

Por outro lado, não possuem “qualquer informação, uma vez que a grande maioria das estações e apeadeiros se encontram encerrados não têm pessoal e é inexistente qualquer serviço eletrónico de indicação dos horários ou alterações”.

Estes problemas, é referido, “não podem continuar a ser meros constrangimentos na vida dos passageiros”.

A Associação de Defesa do Consumidor defende, por isso, a modernização integral de toda a linha, substituição do material circulante e reabilitação e reabertura de estações e apeadeiros, reforçando o pessoal, adaptando os espaços a pessoas com mobilidade reduzida e instalando sistemas de informação eletrónica de horários e de alterações no serviço.

Em julho, a empresa Infraestruturas de Portugal (IP) lançou um concurso de 68,5 milhões de euros para a modernização da Linha do Oeste entre Sintra e Torres Vedras, com um prazo de execução de dois anos, a contar a partir da sua consignação, estando a decorrer o prazo para apresentação de propostas, informou hoje fonte oficial da IP.

A empreitada engloba a eletrificação do troço ferroviário entre Mira Sintra-Meleças (Sintra) e Torres Vedras e a ligação à subestação de Runa, a construção de dois troços de via dupla e a supressão, a reclassificação e a automatização de passagens de nível.

Está ainda prevista a construção de desnivelamentos superiores e inferiores ao caminho-de-ferro, uma intervenção pontual em cinco estações e seis apeadeiros, a instalação do sistema de retorno de corrente de tração e de terras de proteção, a renovação pontual e a retificação do traçado de via, entre outras intervenções de modernização da via férrea.

Aguardado há décadas e várias vezes adiado, o projeto de modernização da linha centenária está orçado num total de 112,4 milhões de euros e prevê uma segunda empreitada entre Torres Vedras-Caldas da Rainha, que a IP estima lançar a concurso até ao final deste ano.

O projeto incide em 87 dos 200 quilómetros da Linha do Oeste, englobando a eletrificação e duplicação da via, a retificação de curvas, a criação de variantes ao traçado atual, a supressão de passagens de nível e a sua substituição por passagens superiores ou inferiores à linha férrea, e a instalação de sinalização nas estações e apeadeiros.

A empreitada total é em grande parte financiada por fundos comunitários e atravessa os concelhos de Sintra, Mafra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras, Cadaval (distrito de Lisboa), Bombarral, Óbidos e Caldas da Rainha (Leiria).

Lusa

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo