Aplicação dos SMAS apenas funciona no sistema Android, não chegando a todos os utilizadores

Fábio Gameiro tem 32 anos e é consultor numa empresa multinacional de tecnologias de informação com sede nos EUA. Vive em Odivelas, mas é natural de Santa Catarina da Serra. E foi em casa dos pais, com a ajuda involuntária de uma máquina de limpeza, que percebeu que o seu conhecimento no âmbito das tecnologias poderia ajudar os outros residentes no concelho. Como? Com a criação de uma conta no Twitter.

A história é simples e contada pelo próprio: “há cerca de duas semanas e meia estava em casa da minha mãe, no concelho de Leiria, e estava a tentar ligar uma máquina de limpeza de pressão. Visto que não estava a conseguir pensei que fosse um problema na máquina”. Não era. Era uma falha no abastecimento de água, da responsabilidade dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Leiria.

Contactou os SMAS e o problema foi resolvido. Mas percebeu que em tempos de novas tecnologias, parte dos utilizadores estavam privados do acesso a informação útil sobre o abastecimento de água. É que “os alertas de interrupção de abastecimento [que os SMAS divulgam através da aplicação LizAquq] não existiam no site nem em aplicação para iOS”.

De facto, explicam os SMAS, a aplicação LizAqua dos SMAS de Leiria foi criada em 2017, tendo ficado disponível nessa data, numa primeira fase para Android e iOS e atualmente só para Android. Enquanto tarda a aplicação em iOS – usada nos telemóveis da Apple -, a alternativa é consultar a conta criada por Fábio Gameiro.

“Todos devem ter acesso à informação e após cerca de 24 horas depois de ter falado com eles [SMAS] disponibilizei a informação no Twitter”, conta.

E ela lá está, em twitter.com/SMAS_LRA_alerts. A informação é aquela que é proveniente dos SMAS para a aplicação Android, explica o jovem consultor.

(Notícia publicada na edição impressa de 7 de novembro de 2019)

CSA